Pesquisa Mafarrico

Translate

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Iraque: Há um apagão virtual sobre a insurreição no Iraque nos meios de comunicação ocidental.

Apoie os protestos dos Iraquianos!

Fonte: Tribunal BRussells
Tradução de Guadalupe Magalhães


Enquanto milhões de pessoas em todo o mundo assistiram ao vivo, durante 18 dias, com enorme expectativa, à revolução que derrubou o regime aliado, torturador e amigo dos EUA, liderado por Hosni Mubarak, ninguém prestou atenção nem informou sobre o que estava acontecer no Iraque nem sobre a revolta do seu povo contra um inimigo muito pior.

Enquanto o presidente Obama e a secretária de estado Hillary Clinton são elogiados pelo seu suposto apoio à democracia egípcia, ninguém faz a pergunta-chave que Washington não pode responder: Quando é que os membros desta administração dos EUA e os três anteriores enfrentam julgamento por crimes contra a humanidade, no Iraque?

Apesar da hipocrisia dos EUA, nada vai impedir o colapso dos objectivos geoestratégicos dos EUA na região árabe. Não é pelo confronto directo que isso vai acontecer, nem pela via da ideologia. Os interesses do povo são opostos ao modelo de subdesenvolvimento proposto e policiado por Washington e seus aliados.

O ano das revoluções

Em todo o mundo árabe, 2011 afigura-se que será lembrado como o “ano das revoluções”. No Iraque, devastado por oito anos de ocupação, pilhagem, destruição e morte por parte EUA, os protestos irromperam em Bagdad, Kut, Basra, Kirkuk, Ramadi, Sulaymaniyah e dezenas de outras localidades. Como de costume, as pessoas enfrentaram fogo vivo.

Nós declaramos a nossa solidariedade para com o povo do Iraque em protesto. Nós declaramos a nossa solidariedade para com os mártires da revolução egípcia e tunisina, e todos os mártires de revoltas árabes. São as políticas de Washington que estão a ser derrotadas e as suas alianças estão a cair aos pedaços.

A região é testemunha do despertar da consciência do renascimento árabe, uma onda que gera outras ondas sucessivas, liderada pelas aspirações do jovens árabes. Nenhuma injustiça será poupada a críticas. Nenhuma mentira deixará de ser desmascarada.

Apoie os protestos do povo do Iraque!

Apoio firme ao povo iraquiano na sua luta contra o terrorismo de Estado e a repressão, a corrupção generalizada, o processo político falsificado e seu aparato estatal, a falta generalizada e o colapso dos serviços públicos, a pobreza e o desemprego, as violações sistemáticas dos direitos humanos feitas pelo governo e suas milícias, os contratos ilegais, os tratados e uma constituição imposta sob a ocupação e planos estrangeiros para destruir a economia, a cultura e a unidade iraquianas.

Apoio ao povo iraquiano em luta pela liberdade, democracia, dignidade, unidade e justiça social.

Apoio ao povo iraquiano na sua revolta e solidariedade para com todos os árabes neste alvorecer de uma nova era!

O jogo está acabado! Exigimos que o governo de Maliki parta, sem derramar o sangue de iraquianos inocentes, em 25 de Fevereiro, o “Dia da Ira Pacífica” no Iraque.

Exigimos que os outros estados retirem o apoio a Maliki e não dêem cobertura a um banho de sangue perpetrado pelo governo.

Por:
O Dr. Ian Douglas, membro do Tribunal BRussells do Comité Executivo e coordenador da Iniciativa Internacional para julgar o genocídio dos EUA no Iraque - Reino Unido / Egipto


Abdul Ilah Albayaty, analista político e activista, membro do Tribunal BRussells do Comité Executivo e da Iniciativa Internacional para julgar o genocídio dos EUA no Iraque - França / Iraque


Hana Al Bayaty, analista política e activista, membro do Tribunal BRussells do Comité Executivo e da Iniciativa Internacional para julgar o genocídio dos EUA no Iraque, - França / Iraque


Tun Mahathir Mohamad Dr., Presidente da Fundação Perdana Paz Global - Brasil


Denis Halliday, ex-Secretário-Geral Adjunto da ONU e das Nações Unidas, coordenador humanitário para o Iraque 1997-1998 - Portugal


Prof Dr. Lieven De Cauter, filósofo, KU Leuven / Rits, membro fundador do Tribunal BRussells - Bélgica


Dr. Curtis Doebbler FJ, advogado de direitos humanos internacionais - EUA / Palestina


Felicity Arbuthnot, jornalista - Reino Unido


Paola Manduca, professora de genética DIBIO, da Universidade de Gênova - Itália


Lamis Andoni, jornalista - Palestina


Serene Assir, escritor / jornalista - Líbano / Espanha


Dirk Adriaensens, membro do Tribunal BRussells do Comité Executivo, coordenador do SOS Iraque - Bélgica


Matthias Chang, especialista em Direito, e Fundação Perdana da Paz Global, da Fundação de Kuala Lumpur Criminalizar Guerra - Malásia


Cynthia McKinney, do Partido Verde EUA candidata presidencial - EUA


Dr. Ismail Zulaiha, Fundação Perdana da Paz Global - Brasil


Sigyn Meder, membro da Associação de Solidariedade para com o Iraque em Estocolmo - Suécia


Mike Powers, membro da Associação de Solidariedade para com o Iraque em Estocolmo - Suécia


Fundação Perdana da Paz Global


Comissão Ad-Hoc para a Justiça do Iraque


Tome uma atitude!

Estamos certos de que o povo iraquiano vai conseguir a vitória, assim como conseguiram os seus irmãos e irmãs da Tunísia e do Egipto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário