Pesquisa Mafarrico

Translate

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Governo brinca com os desempregados, abusa dos dinheiros públicos para dar às empresas privadas

Governo brinca com os desempregados, abusa dos dinheiros públicos para dar às empresas privadas
Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral do PCP, Faro, Comício «Rejeitar o Pacto de Agressão»




O Algarve vive hoje uma situação muito difícil e uma boa parte da sua população uma situação dramática.

Desemprego como já não há memória. Destruição crescente das suas actividades que são o suporte da vida das populações, nomeadamente trabalhadores, agricultores, pescadores, pequenos e médios empresários, particularmente ligados ao comércio, à restauração, à actividade turística.

Drástico agravamento da situação social com o ataque aos rendimentos do trabalho, às reformas e prestações sociais, com o regresso dos salários em atraso e o aumento brutal do custo de vida.

O Algarve está sofrer as consequências de anos de políticas de direita e das suas erradas opções do passado e do presente. Mas a sofrer igualmente com as violentas medidas de austeridade do falso programa de ajuda financeira que o nosso Partido designa, e bem, como um Pacto de agressão ilegítimo contra o povo e o país que tudo agravou de forma ainda mais brutal.

Um Pacto de agressão, concertado entre aqueles que conduziram o país à crise – o PS, PSD e CDS – e a troika estrangeira do FMI e da União Europeia.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

FARC - A luta continua

A LUTA CONTINUA
por Miguel Urbano Rodrigues

ODiario.info


O comunicado das FARC sobre a renúncia aos sequestros motivou uma chuva de comentários, interpretando a decisão como prólogo do fim da guerrilha. O andamento da história vai desmentir tais profecias. O comandante Timoleon Jimenez, seu actual comandante-chefe, já informou que a organização revolucionária continuará a sua luta por uma Colômbia livre, democrática e independente.



sábado, 25 de fevereiro de 2012

"Trabalhadores de todos os países, Uni-vos!".

Acerca das manifestações de solidariedade com o povo grego
Partido Comunista da Grécia - KKE




Ultimamente, têm sido efectuadas em muitos países do mundo manifestações com slogans abrangentes de "solidariedade com a Grécia" e de que "todos nós somos gregos”. A solidariedade popular e da classe trabalhadora são armas poderosas na luta dos povos. Mas os trabalhadores devem livrar-se de quaisquer tentativas para enganá-los.


Qual Grécia precisa de solidariedade? A Grécia dos capitalistas, os quais procuram obter novos empréstimos da UE e do FMI a fim de fortalecer a lucratividade do seu capital, para reforçar a sua posição contra o povo, ou a Grécia da classe trabalhadora e de outros estratos populares, a qual está a sofrer devido às consequências da crise capitalista, pela qual não tem responsabilidade?

Minas e Armadilhas dos Cavaleiros do Apocalipse

Minas e Armadilhas dos Cavaleiros do Apocalipse

por Jorge Messias

Jornal Avante




«O jesuíta sujeito à obediência revela ao seu superior tudo o que se passa na sua alma … Para obedecerem, os jesuítas assumem a responsabilidade de se revelarem completamente aos seus superiores» (Constituições, «A obediência na vida da Companhia de Jesus»).


«A tolerância tem três limites: as ameaças ao bem comum e os que atentam contra a sociedade; os que, a coberto da religião são súbditos de outros estados; e os ateus que não respeitam as promessas feitas, os contratos e os juramentos que unem as sociedades humanas» (Carta sobre a tolerância, Inácio de Loiola).


«Não é a miséria mas sim a luta que faz ateu o trabalhador. Apagam-se, desde logo, as razões para não lutar: o apego ao conforto, o medo do sacrifício e o receio do castigo. Poderá essa classe temer o inferno, se o conhece já? A classe trabalhadora nada tem a perder na luta, a não ser as suas grilhetas» (Os marxistas e a religião, Michel Verret).



No actual panorama económico e político mundial pouco importa ser-se optimista ou pessimista. O fundamental é continuar a luta e cada um de nós conseguir sair dela mais lúcido e mais forte. É por isso que o cidadão deve ser intransigente na defesa dos seus direitos e o cristão exija não assistir passivamente à degradação dos valores sociais e morais da comunidade. Nesse equilíbrio de posições pode assentar a construção de uma natural posição comum.


Dez anos depois

Dez anos depois
por FARC-EP


Dez anos atrás chegaram ao fim as conversações de paz em El Caguán. O governo de Andrés Pastraña decidiu fechar as portas do diálogo e apostar na guerra total contra nós. Fomos acusados de todas as perversidades do mundo. Hordas imensas de soldados mercenários treinados por assessores estrangeiros foram enviadas para nos esmagar. Helicópteros militares e aviões de todos os tipos partiram com a finalidade de nos reduzir a cinzas.

As FARC-EP, três anos depois de haver inaugurado os diálogos, continuavam insistindo na discussão da Agenda Comum combinada, na remoção das causas que originavam o conflito armado. O Governo, em troca, queria tão somente escutar a rendição e a entrega, ostentava um enorme incremento do gasto militar e se esmerava por nos fazer entender o que nos esperava se recusássemos a última oportunidade que nos concedia para nos submetermos.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

A "crise do capitalismo global" – Crise de quem? Quem lucra?


A "crise do capitalismo global"
– Crise de quem? Quem lucra?

por James Petras [*]



Desde o Financial Times até à extrema-esquerda, toneladas de tinta têm sido gastas a escrever acerca de alguma variante da "Crise do capitalismo global". Se bem que os autores divirjam quanto às causas, consequências e curas, de acordo com as suas luzes ideológicas, há um acordo comum em que "as crises" ameaçam acabar o sistema capitalista tal como o conhecemos.

Não há dúvida de que, entre 2008 e 2009, o sistema capitalista na Europa e nos Estados Unidos sofreu um choque severo que abalou os fundamentos do seu sistema financeiro e ameaçou levar à bancarrota seus "sectores principais".

Contudo, argumentarei que as "crises do capitalismo" foram transformadas em "crises do trabalho". O capital financeiro, o principal detonador do crash e da crise, recuperou-se, a classe capitalista como um todo foi fortalecida e, acima de tudo, ela utilizou as condições políticas, sociais e ideológicas criadas em resultado das "crises" para mais uma vez consolidar sua dominação e exploração sobre o resto da sociedade.

Moçambique e a luta pela independência e por uma sociedade socialista

Moçambique e a luta pela independência e por uma sociedade socialista
Jornal A Verdade




Desde que o português Diogo Cão (nome sugestivo) chegou à África em 1482, o Continente vem sendo saqueado pelos países imperialistas. A África foi retalhada pelos europeus: França, Inglaterra, Alemanha, Portugal, Bélgica, Itália e Espanha. A Moçambique, Vasco da Gama chegou em 1498. Em 1505, os portugueses já haviam dominado toda a região costeira.

Os movimentos nacionalistas africanos surgiram na década de 50. Em Moçambique, um passo fundamental se deu em 1962, no dia 25 de junho, com a criação da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), união de vários grupos nacionalistas articulados pelo doutor em Literatura, Eduardo Mondlaine, que foi o seu primeiro dirigente. Mondlaine foi assassinado em 1969, num atentado preparado pela repressão portuguesa com o apoio de traidores, que lhe enviaram um livro dentro do qual se encontrava um artefato com alto teor explosivo.

Escolhido para dirigir a Frelimo foi Samora Moisés Machel, um enfermeiro, poeta e lutador incansável, que gozava de intensa simpatia entre todos com os quais se relacionava.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Soberania “nacional” ou popular?

Todo o poder aos trabalhadores. Socialismo !!
Soberania “nacional” ou popular?
Partido Comunista da Grécia - KKE



Um dos argumentos utilizados por várias forças burguesas e oportunistas na Grécia para esconder as causas da crise capitalista - cuja raiz está na contradição básica que caracteriza a sociedade capitalista, a contradição entre capital e trabalho – é o argumento da “perda da soberania nacional”.


Assim, dependendo de quem invoca esse argumento, aparecem diferentes variações argumentativas do tipo “o governo não negocia” ou “o governo executas ordens dos estrangeiros” ou, ainda, que “servem aos alemães”, “somos governados por estrangeiros”, “estamos sob ocupação” , “a Grécia se converteu num protetorado”, “perdemos a soberania nacional”, etc. Em algum momento, esse último argumento foi utilizado pelo líder do partido socialdemocrata e da Internacional Socialista, e foi o ex-primeiro-ministro, G. Papandreou, quem disse que devido à crise perdemos nossa soberania nacional e os trabalhadores têm de suportar as duras medidas para que se possa recuperar a economia e a “soberania nacional”...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Será Israel capaz de atacar Irã sem o apoio dos EUA?

Entrevista de Michel Chossudovsky ao jornal i

Michel Chossudovsky
Fonte: jornal i


Presidente e director do Centre for Research on Globalization, Michel Chossudovsky conversou com o i sobre essa possível terceira guerra mundial, de que fala no seu livro “Towards a World War III Scenario: The Dangers of Nuclear War”. Crítico da fortificação militar que os Estados Unidos estão a construir em torno da China, o professor canadiano da Universidade de Otava defende que a opinião pública é fundamental para evitar uma guerra nuclear.


Síria: O fiasco dos agentes secretos franceses em Homs

Síria: O fiasco dos agentes secretos franceses em Homs

por Boris Vian [*]

Enquanto Paris acusa Damasco de ter organizado o assassínio do jornalista da France-Télévisions, Gilles Jacquier, em Homs, uma equipa de jornalistas russos acaba de apresentar uma outra versão diferente dos factos. Segundo o seu inquérito, o senhor Jacquier comandava, sob a cobertura da imprensa, uma operação dos serviços secretos militares franceses que redundou em fiasco. As acusações francesas não passam de uma forma de mascarar a responsabilidade de Paris nas ações terroristas empreendidas para desestabilizar a Síria.
Réseau Voltaire / Moscovo (Rússia) / 17 de janeiro 2012

O jornalista francês Gilles Jacquier foi morto quando fazia uma reportagem em Homs, na quarta-feira, 11 de janeiro. Tinha ido cobrir os acontecimentos na Síria para o magazine Envoyé spécial.

Persuadido de que não havia grupos terroristas, mas uma revolução reprimida em sangue, tinha recusado a proteção dos serviços de segurança e não usava capacete nem colete anti-balas. Com outros colegas que partilhavam as suas convicções, alugaram três minibuses e encontraram "pontos fixos", quer dizer, pessoas locais capazes de ajudá-los a encontrar pontos de referência, a marcar encontros e serviços de tradutores.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Eleições, armadilha para tolos

Eleições, armadilha para tolos
Jean Salem




Em criança, depois em adolescente, e talvez mesmo até ao início dos anos 1980, interrogávamo-nos como fora possível que povos amassados em cultura, como os alemães em especial, tenham sido incapazes de prever aquilo que veio a ser feito, aquilo que foi cometido em seu nome antes e durante o período da Segunda Guerra Mundial. De forma acessória, essa interrogação servia para moderar os ardores daqueles que estavam sempre disponíveis para se inclinar perante a mais insignificante emoção popular e, em particular, perante aquelas que pareciam indicar a insatisfação de tal ou tal fracção da população nos países do “socialismo real”. E, sobretudo, ela proporcionava aos mais argutos a oportunidade para relembrar em cada dia uma evidência que fere, ao que parece, o preconceito democrático: a de que os povos podem equivocar-se. E podem, consequentemente, votar mal…

Os monges-guerreiros da Nova Cruzada

Os monges-guerreiros da Nova Cruzada
Por Jorge Messias




«Por detrás da Nova Ordem Mundial existe uma rede de sociedades e organizações secretas de carácter ocultista que vêm trabalhando incessante e incansavelmente pela concretização dos ideais do anjo caído: dominar o mundo» (Jan Van Helsig, «As sociedades secretas e o seu poder no século XX»).



«As sociedades secretas esotéricas são as geradoras da Nova Ordem Mundial fascista. Muitas destas instituições secretas são conhecidas: a Maçonaria, a Opus Dei, o Conselho dos Negócios Estrangeiros, os Iluminatti, os Rosacruzes, a Caveira e Ossos, a Antroposofia, a Teosofia, a Eubiose, o Clube Bilderberg, o Clube de Roma, a Comissão Trilateral, a Fundação Rockefeller, o Greenpeace, o Rotary Clube, etc., etc.» (Daniel Estulin, «Clube de Bilderberg»).



«Existem à volta de 4 mil a 6 mil membros dos iluminatti: menos que um em cada milhão de cidadãos do mundo, numa população global de 6 biliões e meio de habitantes. Muitos de nós, quando imaginam uma sociedade secreta pensam na Maçonaria, com Lojas nas grandes cidades e frequentes reuniões de irmãos. Os iluminatti não são nada disto ...Então, como podem 6 mil pessoas governar o mundo? Como reúnem tanto poder?» (Jonathan Black, «História Secreta do Mundo»).



Só quem se meter por estes labirintos se pode aperceber que teia de confusões e de intrigas oculta a um olhar simples e honesto a podridão das sociedades secretas… Secretas, semi-secretas, ocultas, desocultas, laicas, religiosas, filantrópicas, milionárias, apolíticas, ideológicas, monárquicas, republicanas, etc. São dezenas ou centenas de milhares delas que têm em comum o facto de se esconderem atrás de um mito ou de uma pura invenção propagandística.


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Limpeza étnica realizada por Israel em 1948 - Se se investiga a História de Israel contradizendo o discurso sionista, sofre-se represálias

Aldeia Palestina de Tantura, civis massacrados pelos sionistas.
Boicote académico israelita: o “caso Tantura”
Por Ilan Pappe
Fonte: CSP

No final de 1980, decidi dar um curso sobre o conflito israelo-palestiniano na Universidade de Haifa. No fim do curso e de acordo com as suas preferências, os estudantes apresentaram as suas conclusões em forma de projectos ou trabalhos de investigação.

Algum tempo depois, um desses estudantes - Teddy Katz -, nascido em Haifa e membro do kibutz Magal, decidiu continuar a investigar o destino de várias aldeias palestinianas – em particular a de Tantura – durante a guerra de 1948 e, em 1998, apresentou a sua tese de mestrado na Universidade de Haifa, obtendo como classificação um altíssimo 97% (e eu ter-lhe-ia dado um 100%). Das provas reunidas, Katz tirou uma série de conclusões, entre as quais a de que durante a ocupação de Tantura pelas tropas judaicas uns 225 palestinianos tinham sido assassinados: 20 tinham morrido durante a batalha e os restantes, civis e não civis desarmados, tinham sido executados depois da rendição da aldeia.

Arraia Miúda

Arraia Miúda
Por Filipe Diniz

Jornal Avante- Portugal




Lisboa, 1383: «levantaram[-se] os povos [em Lisboa e] em outros lugares, sendo grande o cisma e a divisão entre os grandes e os pequenos. Ao qual ajuntamento dos pequenos povos, que assim então se juntava, chamavam naquele tempo arraia-miúda.»

[…] «E os pequenos aos grandes, depois que cobraram coração e se juntavam todos num, chamavam-lhes traidores cismáticos, que estavam da parte dos castelhanos para darem o reino a de quem ele não era.

[…] Era maravilha de ver que tanto esforço Deus punha neles, e tanta cobardice nos outros, que os castelos que os antigos reis, permanecendo sobre eles por longos tempos, não podiam à força de armas tomar, os povos miúdos, mal armados e sem capitães, com os ventres ao sol, antes do meio-dia os filhavam por força.(1


 
Entre os antecedentes do levantamento da «arraia-miúda», encontrava-se a circular de 3 de Janeiro de 1349 (Afonso IV) cujas primeiras medidas eram o arrolamento […] dos indivíduos obrigados a trabalhar por conta alheia; a fixação do preço da força de trabalho (taxas); sanções penais para quem desrespeitasse as taxas (ou seja, quem pagasse acima delas); a obrigatoriedade de o criado trabalhar todo o ano para o senhor, se este necessitasse dos seus serviços para além do contrato(2).

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Da omissão ao fascismo, como a Justiça (não) funciona para os pobres


Da omissão ao fascismo, como a Justiça (não) funciona para os pobres
Eduardo Sales de Lima da Redação - Brasil de Fato


Caso Pinheirinho expõe inconsequência da Justiça paulista e inércia do governo federal





A cada dia que passa, o Estado de São Paulo prova que o direito de propriedade vale mais que o da preservação da vida. A violação dos direitos humanos, recentemente observada contra os dependentes químicos e os estudantes da USP, foi transposta a um bairro pobre de 6 mil pessoas, em São José dos Campos (SP).

Recessão da economia portuguesa agrava-se em 2011


Nota do Gabinete de Imprensa do PCP
Recessão da economia portuguesa agrava-se em 2011

1. O INE divulgou as suas primeiras estimativas de evolução do PIB no 4º trimestre de 2011 e na totalidade do ano. O INE estima que o PIB tenha caído -1,5% em 2011 e que em termos homólogos no 4º trimestre a queda tenha sido de -2,7% e em cadeia de -1,3%. O 4º trimestre de 2011 foi sem qualquer margem para dúvida o pior trimestre do ano, com o PIB trimestral a recuar em termos reais para valores inferiores aos registados no 4º trimestre de 2005.

2. Estes dados confirmam que em 2011 após um 1º semestre em que a queda do PIB foi de -0,7%, no 2º semestre o PIB afundou-se caindo -2,2%. Este dado é tanto mais relevante quanto esta é a maior queda registada em termos percentuais no PIB do 2º semestre, desde 1996 ano em que esta nova série de dados trimestrais do PIB se iniciou.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Grécia: O ódio do povo vai quebrar a coalizão governamental PASOK-ND

O ódio do povo vai quebrar a coalizão governamental PASOK-ND


Centenas de milhares de manifestantes gritavam em todo o país: "o governo, com sua linha política criminal, deve sair agora, juntamente com a Troika (União Européia-Banco Central Europeu-FMI)! Nenhum memorando deve ser assinado. Não ao novo acordo! A plutocracia deve pagar! "


A manifestação da PAME, em Atenas, foi impressionante. Ocorreram grandes manifestações em todo o país.


Os trabalhadores enfrentaram, corajosamente, o plano governamental de reprimir a demonstração.


Algumas considerações sobre o Irã e a Síria

Algumas considerações sobre o Irã e a Síria
Por: James Petras



“Essa é outra armadilha em que caem os esquerdistas tontos, idiotas úteis que condenam sempre a Síria, sem entender que se trata de um esforço imperialista para repetir a experiência da Líbia, onde hoje o caos impera. O povo perdeu todos os benefícios e empregos que tinha durante o governo de Kadhafi. O mesmo poderá acontecer na Síria. Por esta razão, a maioria do país não quer esta intervenção”.





Actualmente, é recorrente que o Irã vai cortar as exportações de petróleo à Grécia, Espanha e Itália, como forma de antecipar o embargo anunciado pelos países europeus. Mais uma vez os países imperialistas da Europa estão tomando decisões que vão prejudicar o sul da Europa. Os países líderes não serão afectados por uma possível restrição sobre as exportações do Irão, pois recebem o seu petróleo da Arábia Saudita, da Rússia e de outras partes.




segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Desigualdade social volta a números de 1918 na Inglaterra


A Rainha em sua difícil labuta diária....tirar "meleca" de luvas.

Desigualdade social volta a números de 1918 na Inglaterra



O agravamento da crise econômica capitalista continua alargando o abismo que separa ricos e pobres, e isso até mesmo em países em que a desigualdade social foi menos acentuada nas últimas décadas.

Mostrando que uma suposta “estabilidade” no capitalismo é sempre ilusória e temporária, pesquisa realizada pelo professor Danny Dorling, da Universidade de Sheffield, mostrou que a desigualdade social na Inglaterra voltou praticamente aos mesmos números que tinha em 1918.

O fim da ocupação militar dos EUA não significa que o Iraque tenha o controle total do seu petróleo

As empresas petrolíferas ocidentais permanecem embora os EUA saiam do Iraque

Dahr Jamail
Fonte: Uruknet | Tradução de F. Macias





Embora o exército dos EUA tenha acabado formalmente a sua ocupação do Iraque, algumas das maiores companhias petrolíferas ocidentais, ExxonMobil, BP e Shell, continuam.


No dia 27 de Novembro, 38 meses depois da Royal Dutch Shell ter anunciado que estava a tentar obter no sul do Iraque um grande negócio de gás, a gigante petrolífera assinou um contrato para um negócio de gás inflamável de $17 mil milhões dólares.
 

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Grécia: Primeiro dia da greve de 48 horas, com ocupação do Ministério do Trabalho

Primeiro dia da greve de 48 horas, com ocupação do Ministério do Trabalho

– Abaixo o governo e a plutocracia, desligamento da UE com poder popular


por KKE [*]


Com um comício impressionante em Atenas, bem como em dúzias de cidades, os trabalhadores e trabalhadoras, os estratos populares pobres, responderam ao apelo do PAME à participação no primeiro dia da greve geral de 48 horas (10-11/Fevereiro/2012).

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Federação Sindical Mundial(FSM) - A classe trabalhadora só tem duas opções: continuar a suportar o capitalismo destrutivo ou lutar para o destruir – não há meio-termo nem terceira via – e a FSM opta pela segunda opção.

manifestação de trabalhadores portugueses
Saudação da Federação Sindical Mundial (FSM) ao XII Congresso Nacional da CGTP-IN Por Valentin Pacho – Secretário-geral Adjunto



Os ideólogos do neoliberalismo fizeram crer a muitos que já não havia luta de classes; isto gerou a desideologização e a despolitização de amplos setores sociais, o que originou a proliferação de trânsfugas e oportunistas na política e se repercutiu num setor do movimento sindical, estimulando o sindicalismo reformista e burocracias sindicais, que se prestaram a um jogo duplo e se dedicaram a fazer propaganda sobre a modernização do capitalismo ou do capitalismo com rosto humano. Continuar a acreditar num capitalismo com rosto humano é enganar-se e enganar os demais, porque isso seria como acreditar que o leão se pode converter em vegetariano e isso não é realista.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Catarina Eufêmia: Comunista, camponesa com o rosto curtido pelo sol e cansaço

Catarina Eufêmia - Heroína do povo Português





Os anos passam e cada ano é um ano cheio de lembranças, sempre as mesmas: Fome e repressão por um lado, lutas, derrotas e vitórias por outro. Em todo este ciclo reforça-se a vontade cada vez mais firme de lutar por uma vida melhor, sem pesadelos de fome e miséria, e em que as relações entre os homens sejam de irmão para irmão e não de senhor para servo.


Da longa gesta que tem sido a luta do povo alentejano contra o fascismo, entre muitos exemplos de heroísmo, destaca-se a morte da simples e heróica camponesa. Catarina Eufêmia, assassinada quando com outras companheiras dirigia uma luta em Baleizão.


Os soldados psicopatas dos EUA e seus crimes impunes


Soldados psicopatas posam junto a seus estandartes : a bandeira dos EUA e a bandeira das SS nazista






























No Iraque e Afeganistão
Impunidade é regra nas guerras imperialistas



As forças armadas dos EUA retiraram, sexta-feira, todas as acusações contra o quinto soldado acusado de assassinar civis afegãos e guardar os restos mortais como troféus. Para o Pentágono a absolvição de Michael Wagnon foi «do interesse da justiça».

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O Passado, o presente e as funções transcendentes dos illuminati

O Passado, o presente e as funções transcendentes dos illuminati 


Por: Jorge Messias

 «Uma sociedade como esta será dominada por uma elite cuja ambição pelo poder político obedeça a um sentimento de superioridade científica. Esta elite recorrerá a todos os meios para atingir os seus fins políticos, nomeadamente às novas técnicas para influenciar o comportamento das massas e alcançar o controlo e a submissão da Sociedade» (Z. Brezinski, fundador da Trilateral, in «Between Two Ages»).

«Foi pelos Jesuítas que a maioria das faculdades da Baviera foram fundadas e controladas. Foi por eles, também, que as escolas secundárias do país foram instituídas...» (Padre Adam Weishaupt, fundador da Seita dos Illuminati).

«A maioria, a classe dominante no momento, tem as escolas e a imprensa e, em geral, tem também a Igreja, “sob o seu polegar”. Isto dá-lhe a possibilidade de organizar e influenciar as emoções das massas e de usá-las como seus instrumentos» (Albert Einstein, criador da “Teoria da Relatividade”).



Parece agora começar a romper alguma luz por entre as trevas que envolvem a tenebrosa teia dos illuminati. Os monges-soldados apenas surgem da noite da história de tempos a tempos, em vésperas das grandes convulsões sociais. Depois, regressam ao anonimato mas continuam a tecer a intriga política, a reforçar alianças e a alimentar novas estratégias de expansão. Atentos como estão ao progresso dos homens, fazem aproveitamentos ultra-fundamentalistas e unilaterais das conquistas das ciências e das técnicas modernas. Dividem para reinar. E são também executores ou supervisores do cumprimento das decisões ordenadas pela cadeia hierárquica. São elites confessionais estabelecidas nas áreas cimeiras das elites do poder. Organizam-se «em rede».

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Brasil Imperialista ou Não?

Brasil Imperialista ou Não?
PC Grego X PCB e outros... 
Por: Ivan 1871

Não é nada simples esse assunto – nem na sua caracterização e muito menos nos seus desdobramentos.

O assunto está longe de ser resolvido ou mesmo sintetizado – embora cause aflição na mente que intuitivamente prevê as implicações gravíssimas a que leva para as estratégias e táticas que se contentam em ser “anti-imperialistas e anticapitalistas” em uso, nos moldes da tentativa de manter obter consenso mas que não mais se sustenta.

A leitura e retomada de Lênin e dos clássicos da teoria marxista do imperialismo é o be-a-bá para se abordar a questão; mas repetir seus enunciados não resolve o problema – apenas se mostrando como simplista, esse simplismo das abordagens não são somente fortuitos, involuntários, fruto do despreparo ou da negligência, ao contrário, têm seu porque. Sabemos e é fácil saber – como veremos adiante.


A questão não pode ser resolvida com a constatação de que estamos num mundo imperialista. Hoje a questão já se complexificou muito mais, e não devido a um desenvolvimento teórico, mas pelo desenvolvimento das forças produtivas capitalistas ao longo do XX e no início do XXI. A mesma dialética que fez com que Lênin pusesse suas lentes sobre o imperialismo, o qual emergiu como fase do capital no final do XIX e era um problema concreto para a revolução proletária internacional, do mesmo modo hoje o marxismo revolucionário está diante do inédito desenvolvimento dessa fase que coloca novas questões e aprofunda as antigas. O KKE a nosso ver está focado nessas questões, no que tem de mais complexo e influente para a práxis revolucionária – diferentemente de quem dá como resolvida a questão simplesmente por negar sua existência ou relevância, remetendo tudo de volta a Lênin.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O fedor pestilento do fascismo pode ser sentido, nos novos ataques contra os trabalhadores perpetrados pelo nôvo esbirro da UE: O Sr. Passos Coelho.



Os fascistas verdugos do povo Português: Carmona e Salazar
Opressão Fascista em Portugal
Mafarrico Vermelho

Para que os portugueses não tenham memória curta. Digam não a essa tentativa de "branquear" o fascismo em Portugal. Época onde canalhas como - Santos Costa, Julio Botelho Moniz, Mario de Figueiredo, Marcelo Caetano e outros crápulas, participavam do Govêrno fascista.
.
Mas, os verdadeiros donos do país eram os - Champalimaud, Mello da CUF, Espirito Santo, Cupertino de Miranda e mais alguns poucos. Esses faziam a festa de milionários sob o fascismo. A ostentação, a corrupção e o esbanjamento definiam o modo de vida desses beneficiários do regime e dos seus lacaios e serventuários fascistas.
.
Meia dúzia de grandes monopolistas dominavam toda vida econômica de Portugal sob o facínora Salazar. A acumulação de riquezas num reduzido grupo de beneficiários do regime teve uma contrapartida: a condenação da maioria do povo à mais extrema miséria.



Crescimento capitalista aumenta submissão do Brasil ao capital estrangeiro

Crescimento capitalista aumenta submissão do Brasil ao capital estrangeiro
Por: Lula Falcão
Em meio à profunda crise em que se encontra o sistema capitalista mundial e que se arrasta desde setembro de 2008, alguns países, mais precisamente a China, a Índia, a Rússia e o Brasil, o chamado Brics, têm obtido índices de crescimento econômico considerados elevados para os padrões capitalistas. No caso do Brasil, este crescimento, embora com altos e baixos, levou o país a se tornar a sétima economia do mundo e a ultrapassar a Itália, atolada na crise econômica e moral¹.

Com a eleição de Lula (PT) para a presidência do Brasil em 2002 e sua decisão de não realizar nenhuma ruptura com o sistema imperialista nem reestatizar as estatais privatizadas e ainda garantir os privilégios ao grande capital financeiro e livre ação para os monopólios internacionais na economia brasileira, a grande mídia internacional passou a exaltar a economia brasileira como a mais nova maravilha do mundo.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Irlanda: A crise económica - Algumas perguntas e respostas

A crise económica -
Algumas perguntas e respostas

Por: Partido Comunista da Irlanda



O ponto de partida para a construção de uma economia que sirva o povo, e não empreendedores privados e financeiros, é o repúdio desta dívida e a busca de investimentos noutras fontes, incluindo fundos soberanos saudáveis que permitam a construção de uma nova Irlanda liberta desta carga que a mutila.


domingo, 5 de fevereiro de 2012

A Ordem dos «illuminati»

A Ordem dos «illuminati»

Por
Jorge Messias
 
Jornal Avante

«Nós temos nesta Terra o lugar de Deus Todo-Poderoso… o Papa não é somente o representante de Cristo mas é o próprio Jesus Cristo sob um manto de carne»
( Leão XIII, carta-encíclica de 1894).

«Em 1952 foi formada uma aliança que juntou, pela primeira vez na história, as Famílias Negras (nobreza europeia que historicamente pratica o Espiritismo e o Ocultismo), os Iluminatti, o Vaticano e a Maçonaria. O objectivo era trabalharem em comum na instalação de uma Nova Ordem Mundial» (Milton William Cooper, escritor norte-americano in «Behold a Pale Horse»).

«Acredito que o branco que vejo é preto se a hierarquia da Igreja o tiver declarado...» (Exercícios Espirituais, «Inácio de Loiola»).

«Motivados pelo amor de Cristo, assumimos a obediência como um dom dado por Deus à Companhia por intermédio do seu Fundador... Ela une-nos à vontade salvífica de Deus e, simultaneamente, constitui o vínculo da nossa união em Cristo.

Deste modo, o voto de obediência converte a Companhia num instrumento mais eficaz de Cristo na Igreja, para auxílio das almas e maior glória de Deus» (Inácio de Loiola, «Constituições da Companhia de Jesus»).

No sentido que tradicionalmente lhe é dado pelos manuais escolares, «iluminado» tem um significado eminentemente cultural e exprime o avanço que as classes «cultas» alcançaram sobre o despotismo político, sobretudo ao longo do século XVIII. Na actualidade, os conteúdos dessa mesma expressão são muito diferentes. Trata-se agora de um estrato ligado a um projecto secreto de mudança da sociedade, de sentido maximamente reaccionário. O «iluminatti» deverá corresponder, neste caso, a um misto de autómato jesuítico, de esbirro capitalista e de agente activo da tecnocracia neoliberal.
 

Comandante máximo das FARC-EP responde à carta do historiador Medófilo Medina

Comandante máximo das FARC-EP responde à carta do historiador Medófilo Medina
Timoleón Jimenez




Uma luta duríssima como a que as FARC-EP travam desde 1964 não podia subsistir sem um forte apoio popular e um programa que correspondesse aos anseios da população que lhes garante apoio, cobertura e a renovação de guerrilheiros e quadros.


Nesta resposta de Timóleon Jimenez, Comandante do Estado-Maior Central das FARC-EP, à carta-aberta que lhes foi dirigida pelo professor e académico colombiano Medófilo Medina, pode o leitor ver - sem a intermediação das agências ao serviço do imperialismo - o que é e por que luta a heroica guerrilha colombiana.
 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Mudar de Rumo

Mudar de Rumo

Por:
Ângelo Alves




"A União Europeia aprovou um novo conjunto de sanções ao Irão"


 
Registrou-se nas duas últimas semanas vários acontecimentos demonstrativos de três grandes tendências da situação internacional.


Sarkozy castiga Trabalho

Sarkozy castiga Trabalho


Fonte: Jornal Avante 



O presidente francês confirmou, domingo, o novo pacote de austeridade contra os trabalhadores e o povo francês. Em entrevista difundida em horário nobre na televisão gaulesa, Nicolas Sarkozy reiterou que vai aumentar impostos, pôr fim às 35 horas de trabalho semanal e à contratação colectiva, e embaratecer a força de trabalho.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A estação de caça aos pobres em São Paulo-Brasil






A estação de caça aos pobres

Por Alipio Freire


No Brasil, o verão que desmobiliza as instituições do Estado é tradicional e historicamente a estação de caça aos pobres e aos seus direitos
  
Fonte: BRASIL DE FATO



Domingo, 22 de janeiro de 2012: a Comunidade do Moinho recebe desde cedo centenas de visitantes que se juntam aos moradores locais. Situada na avenida Rio Branco (centro de São Paulo), entre duas linhas férreas, a comunidade reúne cerca de 700 famílias.

Os que chegam são militantes de grupos culturais de bairros populares e da periferia, de diversas organizações de defesa dos direitos humanos e de outros temas pertinentes a problemas do dia-a-dia dos mais pobres.

Trata-se de um ato de solidariedade e protesto: há exato um mês (22.12.2011), um incêndio destruiu 300 barracos – metade das habitações que ali existiam. O incêndio do Moinho abriu a temporada das violências que se abateram sobre as populações pobres do município e do estado de São Paulo. Especialmente aquelas estabelecidas em áreas (urbanas ou rurais) altamente valorizadas.