Pesquisa Mafarrico

Translate

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Brasil: Obama se interessa pelo Pré-Sal

O que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil
Por Emanuel Cancella, diretor do Sindipetro-RJ.



Obama vem ao Brasil reforçar os interesses dos EUA no petróleo brasileiro. A vontade do governo brasileiro e da Petrobrás é transformar o país num grande exportador de petróleo, em detrimento de tratarmos esse bem como estratégico e produzi-lo na medida das necessidades internas

Essa é a frase famosa dita pelo então embaixador brasileiro nos EUA, Juracy Magalhães. Isso foi em 1964 às vésperas do golpe militar que resultou na ditadura militar. Hoje é sabido que os nossos anos de chumbo foram orquestrados pelo governo norte-americano, aliado dos militares brasileiros golpistas.

O presidente norte-americano Barack Obama visitará o Brasil em março com o mesmo pensamento de 1964, só que agora é uma questão de sobrevivência, pois é sabido que os EUA só têm petróleo para três anos. As convulsões sociais nos países africanos e no Oriente Médio complicam ainda mais a geopolítica do petróleo. Esses países são possuidores de grandes reservas de petróleo, bem como são os principais exportadores da matéria prima para o mundo, em particular para os EUA.


Por conta das turbulências no mundo muçulmano, o petróleo passou a casa dos cem dólares. Exportar petróleo desses países cada vez fica mais complicado, a exemplo do Iraque – país “dominado” pelos EUA e aliados. E aí entra em cena o Brasil – o gigante adormecido, deitado eternamente em berço esplêndido e com reservas gigantes de petróleo descobertas do Pré-sal.


No mundo inteiro, a geopolítica do petróleo é resolvida através de guerras, derrubada de governantes, ameaças de guerras: vejam o caso do Irã. No Brasil, Obama só precisa que aconteçam os leilões de petróleo.


Na política de petróleo, Lula avançou em relação a Fernando Henrique: deixamos de entregar todo nosso petróleo como propunha FHC, passando, com Lula, a entregar 70%. No marco regulatório de Lula, 30% de todos os blocos do Pré-sal são da Petrobrás e os restantes [70%] serão partilhados entre empresas privadas nacionais e multinacionais. Vence o leilão aquele consórcio que oferecer mais vantagens à União.


É isso que Obama vem reforçar: a vontade do governo e da Petrobrás de transformar o Brasil num grande exportador de petróleo. Ao invés de tratarmos esse petróleo como bem estratégico e produzir na medida das necessidades internas, já que somos autossuficientes na produção de petróleo, vamos virar um grande exportador para atender aos EUA.


E para desespero dos ambientalistas, já que o Brasil vai perder a oportunidade de diminuir a participação do hidrocarboneto na nossa matriz enérgica e de investir o próprio dinheiro do petróleo em geração de energias mais limpas e com isso contribuir com o política ambiental. Pela vontade do governo brasileiro, de Obama e da direção da Petrobrás vamos continuar a ser fornecedores de matéria prima para o mundo. E deixar a possibilidade de investir o dinheiro desse petróleo para erradicar as nossas mazelas sociais.


Imaginar que após a vitoriosa luta da campanha “O Petróleo é Nosso!”, onde brasileiros foram perseguidos, presos, mortos, agora vamos entregar (nos leilões) de mão beijada nosso petróleo. Quando o petróleo era um sonho, o povo foi às ruas, lutou e conquistou a Petrobrás e o Monopólio Estatal do Petróleo. Agora que o petróleo é uma realidade, nós vamos exportá-lo. É sair do sonho e entrar no pesadelo!

Texto recebido por mail de Secretaria-Geral PCB em 26/02/11-PCB


 

Um comentário:

  1. É, o petróleo é muito importante para os países mizeráveis como o Brasil. Um país que tem 30 Bilionários e 190 milhões de miseráveis.
    O Brasil "possuia" outras riquezas naturais e que não poluem, ao contrário são armas contra a poluição, mas estamos destruindo tudo, como a Amazônia (Que não é eterna como pensam).
    Ao invés de ir fazer protesto Contra Obama ou EUA, faça protestos para acabar com a CORRUPÇÃO, A INDÚSTRIA DA MISÉRIA que assolam este país.

    ResponderExcluir