Pesquisa Mafarrico

Translate

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Brasil: A financeirização da burocracia sindical é um processo que divide fundamentalmente a classe trabalhadora e enfraquece a defesa de seus interesses históricos

A financeirização da burocracia sindical no Brasil


<>
<>
 
  
Escrito por Alvaro Bianchi e Ruy Braga  

Fonte:Correio da Cidadania    


Aproximam-se as eleições para o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Trata-se não apenas do maior sindicato da categoria do país - e isso já bastaria para que o pleito atraísse a atenção de todo o movimento sindical brasileiro. Mas essa eleição também tem um alcance maior que deve ser levado em consideração: o de definir os rumos de uma entidade que cumpre atualmente um papel estratégico na ordem política atual.


O grande capital financeiro está a pôr-se a salvo

Rivalidades
Por Jorge Cadima
Fonte: Avante!
 
 
A crise dos centros mundiais do capitalismo agrava-se rapidamente. O desastre que se avizinha, e a incapacidade do imperialismo o evitar, acirra todas as contradições e rivalidades, num «jogo do empurra» de consequências imprevisíveis.

KKE (PC GREGO) defende com mais intensidade a posição de que o povo deve tomar nas suas próprias mãos a propriedade dos meios de produção, assim como dos recursos naturais

Greve de 48 horas: a resposta aos novos dilemas intimidantes do governo e da UE
Fonte: KKE http://inter.kke.gr/News/news2011/2011-06-22-info

Após três dias de discussão no Parlamento, o retocado governo obteve, na terça-feira, 22 de junho1, um voto de confiança, com os votos dos parlamentares do PASOK2. 155 membros do Parlamento, dos 298 que participaram no processo, deram um voto de confiança ao governo, enquanto 143 votaram contra.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Colombia: Pela paz e o Socialismo

47 anos de batalhas pela paz da Colômbia a partir da resistência armada
Rede Bolivariana

 
Colombianas e colombianos, irmãos e irmãs da América Latina:
Neste mês de maio completam-se 47 infaustos anos de morte traiçoeira, de persecução implacável, de prisões injustas, de negação de direitos fundamentais aos cidadãos, de despojo de terras e moradias, de desterros e êxodos forçados, de enriquecimentos imorais e ilícitos e de empobrecimento violento, tão violento como a própria pobreza, causados pelos diferentes governos que exerceram o poder para a minoria opulenta da Colômbia.

São 47 anos de violência partindo desde o dia em que o bipartidarismo liberal-conservador personificado no excludente, corrupto e infame pacto de alternância presidencial da Frente Nacional (vigente entre 1958-1974), no governo de Guillermo León Valencia, tomou a decisão de rumar o curso histórico da pátria pelos despenhadeiros da barbárie, lançando a maior ofensiva militar que até o momento se conhecera na América Latina, com mais de 16 mil efetivos da força armada governamental e orientada a partir da Casa Branca, em sua estratégia para o controle geopolítico do continente e contenção dos ventos de dignidade e independência que sopravam desde a Revolução Cubana, articulado no Plano LASO (Latin American Security Operation) para aniquilar o campesinato de Marquetalia. É que a violência e a submissão perante o amo imperial, foi por excelência a conduta política das classes dominantes na Colômbia.

Há verdades que incomodam as classes que detêm o poder e seus porta-vozes, como a de que a violência é a característica principal de sua conduta política. É por isso que lançam às vistas toda a sua maquinação midiática para fazer de suas trapaças e mentiras "verdades oficiais", como a justificativa para a agressão às comunidades agrárias em Marquetalia sob o estigma de "repúblicas independentes", quando o coro da irracionalidade no congresso da República, encabeçado pelo senador ultraconservador Álvaro Gómez Hurtado incitou o terror para expulsar a sangue e fogo a resistência em Marquetalia, por cima do clamor nacional de paz que os acompanhou, obrigando-os a proferir a resistência das FARC-Exército do Povo que cresce imbatível acompanhada de amor, esperanças, iniciativas e críticas dos colombianos.

domingo, 19 de junho de 2011

Portugal: Mário Soares – à semelhança do criminoso que volta ao local do crime para apreciar a obra feita - desdobra-se na revelação de toda a sua dimensão de conspirador sem escrúpulos

A escolha certa
Por José Casanova
Fonte: Avante !


À medida que a idade lhe vai pesando, Mário Soares – à semelhança do criminoso que volta ao local do crime para apreciar a obra feita - desdobra-se na revelação de toda a sua dimensão de conspirador sem escrúpulos. De Carlucci à hierarquia reaccionária da igreja católica, sustentáculo do fascismo, não há inimigo do Portugal de Abril ao serviço de quem Soares não se tenha colocado. E gaba-se disso.




sábado, 18 de junho de 2011

Brasil: O saque e a rapinagem da nação

O grande saqueio da nação
Por Mário Lúcio de Paula   
Fonte: Jornal A Nova Democracia


Sem isentar aqueles que disputam as migalhas restantes da sangria de nossa nação, é preciso, em primeiro lugar, denunciar o grande saqueio, em curso há mais de cinco séculos. Enquanto ministros, senadores e deputados se batem, invejosos de quando um possa ter ganhado a mais que o outro, para a nação o que importa é o quanto eles entregaram e seguem entregando ao imperialismo, ao latifúndio e à grande burguesia.


quinta-feira, 16 de junho de 2011

Agressões Imperialistas: Rede de lutas e contradições

Lutas e contradições imperialistas
Fragmentos artigos do KKE- O Mafarrico Vermelho


“Um trabalhador ilude-se a si próprio se acredita que o sistema político burguês pode funcionar no interesse do povo. O sistema político burguês não pode ser corrigido, tem de ser derrubado.”


Os mais poderosos monopólios, as uniões imperialistas e as potências imperialistas emergentes envolveram-se numa rede de luta e contradições.

No quadro do sistema imperialista, as classes burguesas procuram “eixosde alianças e procedem a alianças e compromissos de modo a se beneficiar da luta pelos recursos naturais e pela partilha dos mercados.


Os cristãos vivem um momento difícil de esperança a roçar o desespero

Mudança ou morte
Por Jorge Messias
Fonte: Avante!


«Os cristãos vivem um momento difícil de esperança a roçar o desespero. Esperança, na profunda renovação da Igreja. Desespero perante as pertinazes resistências oferecidas, sobretudo, pelos mais altos responsáveis eclesiásticos, ao ritmo de evolução anunciado pelo Concílio (Vaticano II).

Não se oculta que esta vivência atinge uma minoria de cristãos (presbíteros ou leigos). A grande maioria não sente qualquer necessidade de renovação. Uns, porque têm nas mãos as alavancas da condução da vida oficial da Igreja. Esses, temem perder a sua incontestada dominação e tudo tentam para que nada mexa...São os patrões da religião.

Outros, porque estão modelados por um sistema de alienação que não lhes permite o exercício do espírito crítico sobre a situação de infantilismo religioso a que estão reduzidos. São os escravos da religião cuja função é sevirem-se da mercadoria religiosa e sustentarem os mandarins».
Padre Felicidade Alves («Enquanto a esperança não morre», 1969).


Para quem esqueça facilmente a História: o padre Felicidade Alves foi um notável pensador dos tempos inacabados da «Teologia da Libertação» e um corajoso antifascista. Sobretudo os católicos deveriam recordá-lo. Hoje, tal como então, a hierarquia eclesiástica continua a envolver-se nos mais repugnantes crimes contra a humanidade. Assim, para ajudar a que a memória se mantenha, vamos arquivar nestas colunas algumas pistas a desenvolver em investigações futuras.

Portugal: Estes são tempos de guerra. Guerra contra este caminho que, a não ser travado, nos vai levar ao desastre

Tempos de guerra
Por João Frazão
Fonte:Avante!



A brutal ofensiva ideológica a que o povo português está sujeito está a atingir limites que, seguramente, qualquer um de nós dificilmente poderia imaginar.

Tendo com objectivo central veicular a ideia de que não há alternativa ao rumo das últimas três décadas, anda para aí toda a corte de espertos e peritos em tudo e em coisa nenhuma, qual picaretas falantes (a expressão não é minha, mas é tão apropriada que não resisto), pegando na teoria dos mais variados e criativos ângulos, para chegarem todos à mesma conclusão.

Assassinos da OTAN/NATO fazem festim de sangue na Lìbia

A Líbia sob fogo da OTAN: um festim de sangue
Por Cynthia McKinney
Fonte: O Diário

É claramente evidente que a OTAN excedeu o seu mandato, mentiu acerca das suas intenções, é responsável por assassínios extra-judiciais, tudo em nome da “intervenção humanitária”.

No período em que integrei o Comité de Relações Internacionais no Congresso, entre 1993 e 2003, tornou-se-me evidente que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) constituía um anacronismo. Fundada em 1945, no final da II Guerra Mundial, a OTAN foi criada pelos EUA como resposta à sobrevivência da União Soviética enquanto Estado Socialista. A OTAN constituía o garante político, para os EUA, de que a dominação capitalista sobre as economias Europeia, Asiática e Africana iria prosseguir. E esta garantia assegurava também a sobrevivência do apartheid global então existente.

A OTAN é um pacto de segurança colectiva através do qual os estados membros assumem que um ataque contra qualquer deles é um ataque contra todos eles. Por conseguinte, se a União Soviética tivesse atacado um qualquer dos seus membros europeus, o escudo militar norte-americano seria activado. A resposta soviética a este pacto foi o Pacto de Varsóvia, que sustentou um “cordão sanitário” em torno do território russo central, na eventualidade de um ataque da OTAN. Dessa forma o mundo foi cindido em blocos, dando origem à “Guerra Fria”.

Os “guerreiros frios” confessos dos dias de hoje continuam a encarar o mundo dessa forma, e não conseguem ultrapassar a visão de uma China Comunista e de um Império Soviético amputado como Estados inimigos dos EUA cujas movimentações, seja em que parte do planeta se verifiquem, devem ser contrariadas. O colapso da União Soviética proporcionou uma oportunidade acelerada para que a hegemonia dos EUA fosse exercida em áreas de anterior influência russa. Territórios africanos e eurasiáticos onde se situam antigos estados soviéticos satélites, bem como o Afeganistão, o Paquistão e outros têm sempre assumido um lugar predominante nas teorias da “contenção” e do “ricochete” que até aos dias de hoje orientam a política dos EUA.

Com tudo isto como pano de fundo, o ataque de foguetões contra Tripoli na noite passada é inexplicável. Tripoli, uma área metropolitana com cerca de 2 milhões de habitantes, suportou 22 a 25 bombardeamentos ontem à noite, abalando e partindo janelas e fazendo tremer o meu hotel até aos alicerces.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Honduras: A incorporação dos golpes de Estado na democracia da OEA do século XXI

Honduras: A incorporação dos golpes de Estado na democracia da OEA do século XXI
Ollantay Itzamná


ALAI AMLATINA- A Organização dos Estados Americanos reincorpora o Estado hondurenho, depois de cerca de 2 anos após sua expulsão, sem exigir antes o cumprimento elementar dos princípios básicos de justiça.

“Não exigimos que ressuscitem nossos mortos. Por justiça pedimos a prisão para aqueles que instauraram um regime de morte com o golpe de Estado em Honduras. Agora que a OEA reincorpora o Estado hondurenho, como se aqui não existisse passado nada, aqueles que nos massacraram riem de nossa cara. Não exigimos nem vingança, nem esquecimento. Exigimos justiça”. Assim, expressou dona Maira seu sentimento de indignação e impotência ante o silêncio da justiça e do retorno do Estado hondurenho à OEA.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Portugal, espelho do funcionamento da engrenagem capitalista

Portugal, espelho do funcionamento da engrenagem capitalista
Por Miguel Urbano Rodrigues

"....Portugal está vivendo o prólogo de uma tragédia política e social comparável à da Grécia...."


Apresentadas pelos dirigentes dos partidos da burguesia como acontecimento de importância transcendental, as eleições legislativas somente o foram na aparência.

O espectáculo do grande circo eleitoral, montado no contexto de uma gravíssima crise – Portugal é atualmente o único país da Zona do Euro em recessão - não exibiu inovações.

O desfecho não trouxe surpresas. A um desastroso governo do PS, responsável por uma política neoliberal que levou o país à beira da falência, vai seguir-se um desastroso governo PSD-CDS que executará uma política neoliberal ainda mais ortodoxa, mais humilhante, ditada de fora.

BRASIL: FORÇAS ÍTALO/AMERICANAS DERROTADAS NO STF

FORÇAS ÍTALO/AMERICANAS DERROTADAS NO STF
Laerte Braga
Fonte: PCB


Um dos episódios mais estranhos – para usar uma expressão suave – de todo o processo que envolve a extradição (negada) de Cesare Battisti ocorreu há cerca de um mês, quando a Secretaria do STF enviou o feito ao ministro Joaquim Barbosa, quando deveria tê-lo feito ao relator. Por conta de um pedido de liberdade para Battisti. Um engano segundo um funcionário do STF.

Gilmar Mendes, Ellen Gracie e o presidente da Corte César Peluso estavam nos Estados Unidos chamados a explicar as razões e os motivos pelos quais o Brasil não queria – como não vai – entregar o preso político à sanha do pedófilo Sílvio Berlusconi.

Há muito mais que a simples extradição requerida pelo governo italiano, como pela intervenção descabida desse governo ferindo a soberania nacional do que pode parecer à primeira vista.


Palestina: A limpeza étnica dos palestinos, ou Israel democrático em ação

A limpeza étnica dos palestinos, ou Israel democrático em ação
(Artigo em jornal Israelense, comenta a limpeza etnica contra os palestinos)

 Publicado originalmente no Haaretz

Enquanto ainda estamos desesperadamente ocultando, negando e reprimindo nossa principal limpeza étnica de 1948 – mais de 600.000 refugiados, alguns dos quais fugiram pelo temor às Forças Armadas de Israel e suas antecessoras, e outros que foram expulsos pela força – a realidade nos demonstra que 1948 nunca terminou, que seu espírito continua conosco.
Gideon Levy - Haaretz, Telavive.

Ocorreu no dia seguinte ao Dia da Independência, quando Israel estava imerso quase que ad nauseam em loas a si mesmo e a sua democracia, e nas vésperas do (virtualmente fora da lei) Dia da Nakba, quando o povo palestino rememora a “catástrofe” – o aniversário da criação de Israel. Meu colega Akiva Eldar publicou o que sempre soubéramos, mas ignorávamos as chocantes cifras reveladas: No momento dos Acordos de Oslo, Israel tinha derrubado a residência de 140.000 palestinos da Cisjordânia. Em outras palavras, 14% dos residentes da Cisjordânia que ousaram viajar ao exterior tiveram seu direito de retornar a Israel e aqui viver negado para sempre. Em outras palavras, foram expulsos de suas terras e de seus lares. Em outras palavras: limpeza étnica.

domingo, 12 de junho de 2011

Novo Código Florestal é mais um capítulo do histórico domínio do Brasil pelo agronegócio


Dep. Aldo Rebelo que um dia foi comunista.....agora, não lembra disso!
Novo Código Florestal é mais um capítulo do histórico domínio do Brasil pelo agronegócio
Gabriel Brito é jornalista; Valéria Nader, economista, é editora do Correio da Cidadania.
Fonte: Correio da Cidadania



Após meses de calorosos debates e pesados lobbies, a Câmara dos Deputados aprovou o substitutivo do atual Código Florestal, projeto apresentado pelo deputado do PC do B Aldo Rebelo, em nome de toda a bancada dos empresários ruralistas que ocupam o Congresso. Para analisar a pior derrota do núcleo duro governista até o momento, refratário ao novo Código, o Correio da Cidadania conversou com o geógrafo da USP Ariovaldo Umbelino.

Escaldado com os projetos anti-ambientais, naquilo que já cunhou de "agrobanditismo", Umbelino não se mostrou surpreso com mais essa vitória ruralista, na esteira das MPs 422 e 458, além do programa Terra Legal. São todos estes, a seu ver, contribuintes inequívocos para o aumento da violência no campo, já registrado nas estatísticas de 2009 para 2010 e marcado a fogo com o assassinato de um casal de extrativistas paraenses na véspera da votação do novo Código Florestal.

O professor da USP, atualmente em visita na Universidade Federal de Tocantins, critica todos os pontos modificados ao interesse dos latifundiários, mas destaca como mais temerárias a anistia a desmatamentos já realizados e a redução de Áreas de Proteção Permanente, as APPs. Além da diminuição da exigência de preservação de matas ciliares, quando estudos já apontam que isso leva ao ressecamento de nascentes de rios, como se verifica no São Francisco.

Sobre estados e municípios tomarem para si a atribuição federal de definir políticas ambientais de uso e concessão de solo, considera ser o ponto mais fácil de derrubar no Supremo. De toda forma, Umbelino crê que, com ou sem o novo Código, o desmatamento continuará a todo vapor, "porque não tem fiscalização e governo que façam cumprir as infrações à lei no Brasil" e "a maior parte do Congresso é favorável à desregulamentação geral do que o agronegócio entende como obstáculos". Exatamente por isso, não acredita que Dilma conseguirá impor o veto ao projeto, conforme declarou.

A entrevista com Ariovaldo Umbelino pode ser lida em sua íntegra a seguir.

Desemprego e pobreza alastram nos EUA

Crise do capitalismo
Desemprego e pobreza alastram nos EUA
Fonte: Avante!

As consequências da crise capitalista continuam a fazer-se sentir com contundência nos EUA. De acordo com os dados divulgados pelo Departamento do Trabalho, cerca de 14 milhões de norte-americanos encontravam-se desempregados no final da semana passada, cifra que eleva para 9,1 por cento o total de trabalhadores naquela situação no país.

A próxima guerra

Operações militares no sul do México e na América Central
Por Ricardo Martínez Martínez
Fonte: O Diario

Para os Estados Unidos é urgente a abertura de outro teatro de operações militares e guerreiras no sul do México e na região considerada, segundo o Departamento de Estado, a mais perigosa do mundo: o triângulo entre a Guatemala, as Honduras e El Salvador.

Não chegam mobilizações massivas para deter a violência estatal e dos seus correlativos mafiosos como o narcotráfico. Não chegam 40 mil mortes, nem 16 mil raptos e 6 mil desaparecidos para declarar que no México se vive e morre em guerra.

Não chegam as denúncias mundiais sobre a catástrofe que consome aquele país a sul dos Estados Unidos, integrado/subordinado desde 1994 com o TLC (código do aeroporto internacional López Mateos na Cidade do México – N.T.) e aprofundado em 2005 com a ASPAN (“Aliança para a Segurança e Prosperidade da América do Norte”, organização criada em 2005 pelo Canadá, México e EUA – N.T.). Fazem ainda falta mais criatividade, mais organização civil e mais mobilizações regionais e mundiais para acabar com a barbárie.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

O País que está sujeito a um gigantesco processo de roubo organizado e de acelerada e perigosíssima «desconstrução» social

O esticar da corda
Por Ângelo Alves

Fonte: Avante!

A crise é geral e o edifício neoliberal, federalista e militarista da União Europeia está a abrir fissuras

A situação económica em vários países europeus revela que os tempos são de um rápido e violento aprofundamento da crise económica e financeira na União Europeia, expressão vívida da crise estrutural do capitalismo.As atenções continuam voltadas para a Grécia. Um cartoon de um semanário nacional intitulado «a economia grega em cacos» ilustra bem a situação. O País que está sujeito a um gigantesco processo de roubo organizado e de acelerada e perigosíssima «desconstrução» social vê-se ainda mais «encostado às cordas». A voragem do grande capital europeu - nomeadamente dos bancos alemães e franceses, os principais credores da dívida pública grega - e a deriva colonialista de potências como a Alemanha parecem não ter limites.

VASCO DA GAMA É O CAMPEÃO DO BRASIL !!!


O Trem-Bala da Colina



Clube de Regatas Vasco da Gama - Lusitano no nome , suburbano em sua localização e negro em sua história.



HOMENAGEM  AO VASCO DA GAMA




- Um Clube de futebol com raízes realmente populares.








Eu vou torcer
Aqui eu ergui meu templo para vencer
Eu já lutei por negros e operários
Te enfrentei, venci, fiz São Januário
Camisas Negras que guardo na memória
Glória, lutas, vitórias esta é minha história 

Que honra ser
saiba eu sou vascaíno, muito prazer
Jamais terás a Cruz, este é meu batismo
Eu tive que lutar contra o teu racismo
Veja como é grande meu sentimento
E por amor ergui este monumento





 


quarta-feira, 8 de junho de 2011

A Igreja dos Mercadores

O povo que também é povo e a Igreja dos mercadores

Por Jorge Messias

Fonte: Avante!

«O homem não é um ser abstracto, exterior ao mundo. O homem é o mundo do homem, o Estado, a Sociedade, os quais produzem a religião, consciência corrompida do mundo… Os princípios sociais do cristianismo pregam a necessidade de uma classe dominante e limitam-se a fazer votos piedosos de que a primeira seja caridosa com a outra… Os princípios sociais do cristianismo são servis e o proletariado é revolucionário !».
V.I. Lénine (O Comunismo dos Observadores Renanos, 1847)


«Ninguém pode servir a dois patrões. Porque, ou há-de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro... Seja pois o vosso falar: sim, sim, não, não. Porque o que passa adiante disto procede das fontes do Mal».
Bíblia Sagrada ( Evangelho Segundo S. Mateus, cap. V e VI )

Lénine, a democracia e o Estado

Lénine, a democracia e o Estado

Por Filipe Diniz

Fonte: Avante!
 
 
* Comunicação apresentada na conferência «A Democracia Liberta-se», que teve lugar em Lisboa, no dia 13 de Abril, integrada no ciclo «Lénine e a Democracia», organizado pela Associação Iúri Gagárin e a Biblioteca-Museu República e Resistência



Começarei por dizer que me seria muito menos difícil organizar esta intervenção sob o tema geral destas conversas, ou seja, Lénine e a democracia, do que sob o tema de hoje, A democracia liberta-se.

E isto por uma razão teórica bastante simples: porque para Lénine, como antes para Marx e Engels, o processo da emancipação humana segue um caminho que, a certo passo do seu texto sobre «O Estado e a Revolução», Lénine sintetiza da seguinte forma: «quanto mais completa for a democracia mais próximo está o momento em que se tornará desnecessária. Quanto mais democrático for o Estado, […] mais depressa começará a extinguir-se todo o Estado».

terça-feira, 7 de junho de 2011

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas

... sabemos que as guerras – que são a continuação da política por meios violentos – são inevitáveis enquanto a sociedade estiver dividida em classes, enquanto existir a exploração do homem pelo homem, enquanto prevalecer o imperialismo. A substituição da guerra pela paz, a favor dos povos, não é possível sem a substituição do capitalismo pelo socialismo, porque a paz imperialista prepara novas guerras imperialistas.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

História do "bombardeio humanitário" promovido pelos EUA e a OTAN/NATO no IRAQUE


Criança Iraquiana vítima dos "regalos" americanos à infância do terceiro mundo
 Em nome das crianças do Iraque cujas vidas foram um “Preço que vale a pena”
- Dedicado a Madeleine Albright**


Por Felicity Arbuthnot - Tribunal Iraque 


Fonte: Uruknet
Tradução de F. Macias



 
 
 
 
“… a guerra no nosso tempo é sempre promíscua, uma guerra contra inocentes, contra crianças.” Howard Zinn (1922-2010).


Foi Kathy Kelly – firme, afectuosa e completamente leal ao povo do Iraque, arriscando constantemente a ira draconiana, penas de prisão, e sanções incríveis dos EUA, o Estado da sua compaixão - que me alertou. O telefone tocou no dia 12 de Maio 1996, era Kathy que telefonava de Chicago, atordoada. Madeleine Albright, então embaixadora dos EUA na ONU, tinha acabado de aparecer no “ 60 Minutos”.

Lesley Stahl, disse Kathy, tinha falado sobre o embargo dirigido pelos EUA ao Iraque: “Nós ouvimos dizer que já morreram meio milhão de crianças. Isto quer dizer mais do que as que morreram em Hiroshima. E, a senhora, acha que vale a pena este preço? E Albright tinha respondido: “ Eu penso que é uma escolha muito difícil, mas quanto ao preço… pensamos que o preço vale a pena.”

O "Nobel da Paz" que causa morte e destruição aos povos do mundo

O " Nobel da Paz " bombardeando países e matando pessoas pelo mundo.
EUA, Israel e Colômbia estados que promovem o mito surreal da democracia, quando verdadeiramente dão a morte, a tortura  e a destruição aos povos.

-Extratos de artigos no Mafarrico



Os Estados Unidos para construir e manter um status mítico, uma nação deve criar uma imagem de si mesma, desde seu início, e passar essa imagem de geração em geração. A imagem criada pelos EUA é a de que o país é um farol da democracia e do capitalismo e que tudo o que faz em relação a sua política externa, mesmo quando em guerra, é sempre um feito altruísta.



domingo, 5 de junho de 2011

Venezuela : Não podemos ser cúmplices do que definitivamente se converteu em uma política de estado contrarrevolucionaria praticada pelo Gov. Chávez

A política de Estado contrarrevolucionária do Governo Chávez

Não podemos e não devemos ser cúmplices em relação aos episódios de entrega de notórios revolucionários aos seus algozes. O acordo Venezuela X Colombia é ruim para a Venezuela, para os movimentos revolucionários e para os processo de mudanças estruturais da América Latina.

Esse deslize da revolução bolivariana só tem interesse para as direitas de todos os matizes (que vai desde a fascista até a social democrata) e melhor ainda para a ultra-esquerda que tem uma fórmula infalível de fazer revolução e devido a isso despreza todos os outros movimentos revolucionários da América Latina e Mundial.

Para entender toda a crise que Portugal vive hoje. Essa crise foi formada pela Escumalha do PS, PSD e CDS-PP nos últimos 37 anos.



sábado, 4 de junho de 2011

Portugueses não tenham memória curta.....VOTA CDU !

Ganhar consciências para o voto e para a luta


CDU


Presidente Chavez, essa infâmia de novo não!!!

Protesto de Intelectuais Revolucionários contra a prisão na Venezuela e entrega ao governo Colombiano do Comandante Júlio Conrado das FARC

Fonte: ODiario.info



A prisão na Venezuela, com a colaboração da inteligência militar colombiana, do comandante Julio Conrado das FARC e a decisão do governo de Hugo Chavez Frias de entregar aquele destacado revolucionário ao governo neofascista de Juan Manuel Santos foi recebida a nível mundial com surpresa e indignação.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Antissemitismo?

Antissemitismo?

Em memória de Simón Radowitzky e Raymundo Gleyzer

Néstor Kohan


Conheci pessoalmente Néstor Kohan, em Caracas, há dois meses, quando ambos participamos de duas mesas em eventos promovidos pelo Movimento Continental Bolivariano: um seminário sobre Marx e um ato público pelo Dia do Direito à Rebelião dos Povos.


Convivemos alguns dias e surgiu logo uma grande empatia. Conversamos muito, numa mistura de espanhol e português. Mas nos entendemos bem e descobrimos muitas identidades em nossa visão do mundo. Jamais perceberia sua origem familiar e étnica, se ele não me autorizasse a traduzir e publicar o seu texto abaixo. Mandou-me em solidariedade ao PCB, acusado recentemente de antissemita. Sabia apenas do detalhe de que o marxista Néstor é argentino, como podia ser brasileiro, afegão, angolano: afinal, ele é um internacionalista. Mas conhecer mais este detalhe sobre o camarada Nestor me faz ficar mais orgulhoso de o ter conhecido.


Ivan Pinheiro - Secretário Geral do PCB



Os fatos


O que se sabe: saiu publicado na capa do Clarín e foi exibido em vários canais de televisão. Na Argentina, ocorreu um pequeníssimo ato – algumas poucas centenas de pessoas, não chegavam a quinhentas –, em comemoração ao estado Israel, organizado pela embaixada desse país junto com o governo portenho da direita neoliberal clássica, vinculada ao empresário Maurício Macri. Um grupo muito pequeno de manifestantes – menos de duas dezenas – tentavam divergir do sionismo, distribuindo panfletos no ato. Armou-se um alvoroço. Repressão policial. Os manifestantes, críticos do sionismo, foram golpeados e presos. Uma brutal campanha midiática para ilegalizar a esquerda. A acusação central: “anti-semitismo”. Perseguições, invasões, prisões, julgamentos. Tentativa de eliminar projetos sociais e os questionamentos de todo movimento piqueteiro não-oficial.



Cada voto na CDU dará força à resistência popular, dará força à política alternativa, patriótica e de esquerda.


Uma certa esquerda: a das aspas!
Por Manuel Gouveia
Fonte:  Avante!


As eleições presidenciais realizaram-se há apenas três meses. À «esquerda» foi dito haver duas alternativas «credíveis». Uma, Manuel Alegre, o candidato da «esquerda plural», apoiado por todos os partidos de «esquerda» desde o PS ao BE incluindo ainda os que há 40 anos dizem querer reconstruir o partido do proletariado e os que mais recentemente dizem querer renová-lo. Outra, Fernando Nobre, o apartidário, o independente, trazendo no curriculum o apoio de Mário Soares e ter sido mandatário do BE nas europeias. É certo que o PCP e o PEV apoiavam um terceiro candidato – Francisco Lopes – mas esse, diziam, não contava para o baralho, concorria apenas para segurar o eleitorado, sectariamente afastado das «credíveis alternativas de esquerda».


Líbia: O Aquífero de Nubia

Água, uma arma contra os rebeldes

por Simba Russeau, da IPS

 
Cairo, Egito – As enormes reservas hídricas da Líbia podem servir de arma contra os rebeles se as forças leais ao governo de Muammar Gadafi decidirem fechar a torneira da água bombeada do Sul para as cidades costeiras do Norte. A Líbia é um dos países mais secos do mundo. Apenas 5% do país recebe cerca de cem milímetros de chuvas por ano. Historicamente, os aquíferos costeiros ou as unidades de dessanilização de Trípoli eram de má qualidade devido à contaminação com água salgada. O recurso não é potável em muitas cidades, incluindo Bengasi, reduto rebelde.

Explorações petrolíferas no deserto do Sul da Líbia, em meados dos anos 1950, revelaram a existência de vastas quantidades de água subterrânea potável, capaz de contribuir para cobrir a crescente demanda e objetivos de desenvolvimento. Os cientistas estimam que, há quase 40 mil anos, quando o clima do Norte da África era temperado, a água da chuva se infiltrou e formou as reservas de água potável.

Partido Comunista do Brasil-PCdoB....a última "folha de parreira"

A "folha de parreira" caiu!!!!.....PCdoB não é comunista!...

Pra mim é muito difícil falar isso. Mas chega de aguentar Aldo Rebelo e seu "nacionalismo aplaudido pela direita militar".

Chega de aguentar o Netinho dizendo que Marx e Lênin " são coisas do passado". Esse agressor de mulheres que espancou sua própria espôsa.