Comunicado do V Congresso do Partido Comunista do México

Comunicado do V Congresso do Partido Comunista do México


"Ressalta que o México é um país de pleno desenvolvimento capitalista, intermediário e interdependente no sistema imperialista, onde os limites do capitalismo mostraram a necessidade do socialismo-comunismo e, por agora, se apresenta um desencontro entre as condições objetivas e as subjetivas. Daí, o reforço do Partido Comunista do México aparecer como elemento que introduz a consciência à classe ser um imperativo."

"Assim, o Partido Comunista do México tem claras suas metas programáticas: derrota revolucionária do capitalismo, instalação do poder operário e popular, socialização dos monopólios e dos meios de produção concentrados e combate às relações mercantis, planificação central da economia."

"O V Congresso estabeleceu os objetivos para reforçar o PCM em relação à preparação da derrocada do poder dos monopólios e do estabelecimento do poder operário e popular."


À classe operária

À mulher trabalhadora, à juventude trabalhadora, aos migrantes, aos desempregados,

Ao povo do México:

Nos días 13, 14 e 15 de setembro ocorreu, na Cidade de Oaxaca, o V Congresso do Partido Comunista do México, integrado pelos delegados eleitos nas células e acompanhado pelas delegações do Partido Comunista da Grécia, Partido Comunista Brasileiro, Partido Comunista dos Povos da Espanha, Partido Comunista Sudanês, Partido Comunista de El Salvador, Rede de Clubes Comunistas dos EUA (ML Today) e o Partido dos Comunistas dos EUA. Além disso, foi recebida a saudação de 40 partidos comunistas e operários, forças revolucionárias e movimentos anti-imperialistas.

Do México, compareceram como delegados fraternos para saudar o V Congresso o Movimento Comunista Mexicano, o Partido Popular Socialista, o Partido Popular Socialista do México, o Partido Popular Socialista (APN) e a Frente Ampla de Luta Popular. Também apresentaram sua saudação a Frente de Esquerda Revolucionária, o Grupo Docente Revolucionário, a Federação de Trabalhadores Independentes e a nossa juventude comunista, a Federação de Jovens Comunistas.

Para dirigir seus trabalhos, o V Congresso escolheu uma Comissão integrada pelos camaradas Marco Vinicio Dávila, Gustavo Adolfo López Ortega e Jazmín Padilla.

O V Congresso homenageou os camaradas mortos desde o passado IV Congresso, vários deles assassinados pelas forças repressivas do poder dos monopólios.

Durante o desenvolvimento do V Congresso foram aprovados o Informe Político, o Novo Programa, as Teses, assim como reformados os Estatutos. A aprovação destes documentos foi resultado de quase seis meses de discussão entre a militância e de um ano de preparação pelo Comitê Central anterior.

O informe assinalou os avanços e as dificuldades na construção orgânica do PCM, destacando-se um crescimento quantitativo com tendência a aumentar. Foram assinaladas autocriticamente as deficiências em cada uma das áreas de trabalho. Foi avaliado o trabalho da Frente de Esquerda Revolucionária, da Federação de Trabalhadores Independentes, do Grupo Docente Revolucionário e da Federação de Jovens Comunistas.

O Programa estabelece como meta imediata para a classe operária a tarefa da Revolução Socialista. Supera em definitivo o enfoque dogmático de que o México é um país dependente e a errônea estratégica e tática que se derivava do mesmo, que apresentava como meta principal a independência nacional, objetivo de conquistar a aliança da classe operária com a chamada “burguesia nacional”.

Ressalta que o México é um país de pleno desenvolvimento capitalista, intermediário e interdependente no sistema imperialista, onde os limites do capitalismo mostraram a necessidade do socialismo-comunismo e, por agora, se apresenta um desencontro entre as condições objetivas e as subjetivas. Daí, o reforço do Partido Comunista do México aparecer como elemento que introduz a consciência à classe ser um imperativo.

Assim, o Partido Comunista do México tem claras suas metas programáticas: derrota revolucionária do capitalismo, instalação do poder operário e popular, socialização dos monopólios e dos meios de produção concentrados e combate às relações mercantis, planificação central da economia.

O V Congresso estabeleceu os objetivos para reforçar o PCM em relação à preparação da derrocada do poder dos monopólios e do estabelecimento do poder operário e popular.

Assim, no futuro imediato em que o confrontaremos, uma prioridade é persistir no movimento operário e sindical em uma serie de concentrações industriais, definidas como estratégicas.

Vamos desenvolver um trabalho com as camadas populares, cada dia mais empobrecidas pela crise do capitalismo.

Vamos consolidar a frente antimonopolista, anticapitalista e anti-imperialista, não para somar membros, mas sobre a base de uma aliança social que desperte novas forças à luta, politizando suas demandas e dotando-as de uma perspectiva classista na luta contra o capital.

O periódico El Comunista, órgão central do PCM, terá um ritmo mais acelerado em sua publicação e sua circulação, para converter-se em uma imprensa capaz de agitar a classe operária no México.

O V Congresso considera que o Estado mexicano fortalece seus corpos repressivos e estabelece laços criminosos com os grupos paramilitares com o intuito de agredir a classe operária e o povo trabalhador.

O V Congresso decidiu, a fim de ampliar a discussão, pela organização de duas Conferências, uma sobre a cultura e a arte, e outra sobre a questão da emancipação da mulher.

No último ponto de sua agenda, o Congresso escolheu seu novo Comitê Central, combinando experiência e juventude. Em sua plenária, o Comitê Central elegeu os camaradas Pável Blanco Cabrera como Primeiro Secretário, e o camarada Diego Torres como seu Segundo Secretário. Elegeu como membros plenos do Birô Político Gustavo Adolfo López Ortega, Marco Vinicio Dávila, Julio Cota, Jazmín Padilla e Omar Cota. Também foram eleitas como suplentes do BP as camaradas Fernanda Larráinzar e Kimberly Ruiz.

O V Congresso do PCM funcionou com eficiência e decoro graças à entusiasta preparação do Comitê Regional IV. Stalin, de Oaxaca.

É de destacar que em 15 de setembro, enquanto o poder dos monopólios representado por Peña Nieto e o populismo socialdemocrata representado por López Obrador “comemoravam” o levante pela independência de 1810, comprometendo-se a dar continuidade ao capitalismo, em Oaxaca, os comunistas levantavam a bandeira da emancipação social e, no marco da contradição capital/ trabalho, conclamavam o reforço do antagonismo socioclassista para fortalecer a torrente de revolução.

O V Congresso do Partido Comunista do México comprova que contam com as bases suficientes para conceber uma nova etapa, a da preparação da classe operária para o cumprimento de suas tarefas históricas.

Proletários de todos os países, uni-vos!

Partido Comunista do México

Comitê Central








Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Redesenhar o mapa da Federação Russa: Partição da Rússia após uma III Guerra Mundial?

DESENVOLVIMENTO DO HOMEM E DA SOCIEDADE - Da comunidade primitiva ao fim do feudalismo

O movimento operário e sindical