A verdade e a guerra do Big Brother na Palestina e na Ucrânia

A verdade e a guerra do Big Brother na Palestina e na Ucrânia
por John Pilger


"Quando a cidade de Mossul no Iraque caiu nas mãos dos jihadistas, Obama declarou: «O povo americano fez grandes investimentos e sacrifícios para dar ao Iraque a oportunidade de conseguir um destino melhor». Não é bom? Que belo foi o discurso de Obama na Academia Militar de West Point em 18 Maio. No seu discurso do «estado do mundo» na cerimónia da graduação aos que« vão dirigir a América» através do mundo, Obama declarou «Os Estados Unidos usarão a força militar, unilateralmente se necessário, quando os nossos interesses o exigirem, a opinião internacional conta, mas a América nunca vai pedir autorização…»"

"Em Fevereiro, os Estados Unidos montaram um dos seus golpes «coloridos» contra o governo eleito da Ucrânia, explorando protestos genuínos contra a corrupção em Kiev. A assistente de Obama, secretaria de estado Victoria Nuland, pessoalmente «escolheu o líder de um governo interino». Ele pôs-lhe a alcunha de Yats. O vice-presidente Joe Bidden foi a Kiev, assim como o director da CIA John Brennan. As tropas de choque do seu putsch eram fascistas ucranianos.

Pela primeira vez desde 1945, um partido neonazi, abertamente anti-semita, controla áreas chave de poder numa capital europeia. Nenhum líder dos países ocidentais condenou este reviver do fascismo nas fronteiras através das quais os invasores nazis de Hitler tomaram milhões de vidas russas. Foram apoiados pelo Exercito Insurrecto Ucraniano (responsável pelo massacre de Judeus e Russos a quem chamavam «vermes»). O UPA é uma inspiração histórica do actual partido Svoboda e dos seus seguidores de direita. O líder do Svoboda, Oleh Tyahnybok apelou a uma purga da máfia judaica de Moscovo e outra «escumalha», incluindo gays, feministas e outros da ala esquerda."

"A 2 de Maio, em Odessa, 41 russos étnicos foram queimados vivos no quartel general da união comercial, com a polícia ao pé. Há provas de vídeo horripilantes. O líder da ala direita Dmytro Yarosh declarou o massacre como «mais um dia límpido na nossa história nacional». Nos media americanos e britânicos foi considerado uma tragédia horrível resultante dos embates entre nacionalistas (neonazis) e separatistas (pessoas que angariam assinaturas para um referendo numa Ucrânia federal). O New York Times enterrou-o, tendo-o considerado propaganda russa sobre as políticas fascistas e anti-semitas dos novos clientes de Washington. O Wall Street condenou as vítimas. Fogo destruidor na Ucrânia, lançado pelos rebeldes, afirma o governo. Obama cumprimentou a Junta pela sua «contenção»."

Uma destas noites vi o «1984» de George Orwell representado num palco de Londres. Embora precisasse de uma interpretação contemporânea, o aviso de Orwell sobre o futuro foi apresentado como uma peça de época, remota, quase reconfortante. Foi como se Edward Snowden nada tivesse revelado, o Big Brother não fosse agora uma realidade e o próprio Orwell nada tivesse dito. «Para sermos corrompidos pelo totalitarismo, não temos de viver num país totalitário».

Aclamada pelos críticos, a produção interessante foi uma medida de nosso tempo político e cultural. Quando as luzes se acenderam as pessoas já estavam a sair. Pareciam serenas, ou talvez a pensar noutras coisas. «Que chatice», exclamou uma jovem a ligar o telemóvel.

Como as sociedades avançadas estão despolitizadas, as mudanças são simultaneamente subtis e espectaculares: no discurso diário, a linguagem política contradiz-se, como Orwell profetizou em «1984». «A Democracia é agora uma ferramenta retórica. A paz é uma «guerra perpétua». «Global» é imperial. O conceito de «reforma» que já foi de esperança significa agora regressão, e até destruição. «Austeridade» é a imposição do capitalismo para os ricos, um sistema engenhoso sob o qual a maioria paga as dívidas dos raros.

Nas artes, a hostilidade para com a verdade política é um artigo de fé burguesa. «O período vermelho de Picasso» expõe um título do Observer «e porque os políticos não produzem arte boa». Lemos isto num jornal que promoveu o banho de sangue no Iraque numa cruzada liberal. A oposição permanente de Picasso ao fascismo é uma nota de rodapé, tal como o radicalismo de Orwell se esvaiu do prémio que se apropriou do seu nome.

Há alguns anos, Terry Eagleton, então professor de Literatura na Universidade de Manchester, afirmou «que pela primeira vez em dois séculos, não surgiu um grande poeta britânico, ou um dramaturgo ou um romancista preparado para questionar os fundamentos do modo de vida ocidental. Nenhum Shelley a falar pelos pobres, nenhum Blake com sonhos utópicos, nenhum Byron para amaldiçoar a corrupção da classe dominadora, nenhum Thomas Carlyle, nenhum John Ruskin a revelar a desgraça moral do capitalismo. William Morris, Óscar Wilde, HG Wells, George Bernard Shaw não têm qualquer equivalência hoje. Harold Pinter foi o último a levantar a voz. Entre as vozes insistentes do feminismo-consumista, nenhuma ecoa como a de Virgínia Woolf, que descrevia «as artes de dominar os outros… de dominar, matar, de juntar terras e capital».

No Teatro Nacional, uma nova peça, «Grã-Bretanha» satiriza o escândalo das escutas que demonstrou jornalistas julgados e condenados, incluindo um antigo editor do News of the World de Rupert Murdoch. Descrito como «uma farsa com presas [que] coloca toda a [media] cultura incestuosa no cepo e a submete ao ridículo sem piedade, os fins da peça são «os caracteres engraçados feridos» nos tablóides britânicos. É muito divertido, e muito familiar. E o que dizer dos media não tablóides que se consideram irrepreensíveis e credíveis, embora servindo num papel paralelo como arma de Estado e poder corporativo, como na promoção da «guerra legal»?

O inquérito Leverson sobre as escutas atingiu o inominável. Tony Blair prestava declarações, queixando-se a Sua Excelência, sobre os boatos dos tablóides a respeito da esposa, quando foi interrompido por uma voz da galeria. David Lawley-Wakelin , um cineasta, pedia a prisão de Blair por crimes de guerra. Houve uma longa pausa: o choque da verdade, Lord Leverson saltou e mandou expulsar aquele que dizia a verdade e pediu desculpa ao criminoso de guerra. Lawley-Wakelin foi acusado e Blair saiu livre.

Os cúmplices de Blair são mais respeitáveis do que os piratas de informática. Quando a apresentadora cultural da BBC Kirsty Wark, o entrevistou no décimo aniversário da sua invasão do Iraque, ela deu-lhe o momento com que ele nem sonhara; deixou-o agonizar com a sua difícil decisão sobre o Iraque em vez de lhe pedir contas desse crime épico. Isso evocou o processo dos jornalistas da BBC que em 2003 declararam que Blair se podia sentir «vingado» e as séries seminais subsequentes da BBC. «A Época Blair», para a qual foi escolhido David Aaronvitch para a escrever, apresentar e entrevistar. Um seguidor de Murdoch que pedia ataques militares ao Iraque, à Líbia e à Síria, Aaronvitch cumpriu de boa vontade.

Desde a invasão do Iraque — um exemplo de um acto de agressão não-provocada que o acusador de Nuremberg Robert Jackson apelidou de «supremo crime internacional» apenas diferindo dos outros crimes de guerra no que contém de mal acumulado no todo. Blair e o seu porta-voz e principal cúmplice, Alastair Campbell, receberam grande destaque no Guardian para reabilitar a sua reputação. Descrito como uma «estrela» no Partido Trabalhista, Campbell procurou a simpatia dos leitores para a sua depressão, e dispersou os seus interesses, embora não deixasse o seu lugar de conselheiro, juntamente com Blair, para a tirania militar do Egipto.

Como o Iraque foi desmembrado em consequência da invasão Blair/Bush, um artigo do Guardian afirma: «Derrubar Saddam foi correcto, saímos foi cedo demais». Foi a base de um importante artigo por um antigo funcionário de Blair a 13 de Junho; John McTernan, que trabalhou também depois para o ditador do Iraque instalado pela CIA lyad Allaw. Instando a uma nova invasão do país que o seu anterior patrão ajudara a destruir, não se referiu à morte de pelo menos 700 mil pessoas, à fuga de quatro milhões de refugiados e ao remoinho sectário numa nação antes orgulhosa da sua tolerância.

«Blair personifica a corrupção e a guerra» escreveu o colunista radical Seumas Milne no Guardian num artigo interessante, a 3 de Julho. Isto é conhecido na gíria como «equilíbrio». No dia seguinte, o jornal publicou um anúncio de página inteira de um bombardeiro americano Stealth. Numa imagem ameaçadora do bombardeiro viam-se as palavras: «O F-35. GRANDE para a Inglaterra». Essa outra expressão para «corrupção e guerra» vai custar aos contribuintes britânicos 1,3 mil milhões de libras, tendo os seus predecessores de modelo F destruído uma aldeia de Afeganistão, habitada pelos mais pobres dos pobres. Filmei Orifa, ajoelhada nos túmulos do marido Gul Ahmed, um tecelão de tapetes, e outros sete membros da sua família, incluindo seis crianças e duas crianças que foram mortas na casa ao lado. Uma bomba de «precisão» de 500 libras caiu directamente sobre a sua casa de barro, pedra e palha deixando uma cratera de 50 pés. Lockheed Martin, o fabricante de aviões teve destaque nos anúncios do Guardian.

A anterior secretária de Estado norte-americana que aspira à presidência, Hillary Clinton, esteve recentemente no «Tempo de Mulher» da BBC, a quinta-essência da respeitabilidade dos media. A apresentadora Jenny Murray, deu Hillary como exemplo do sucesso feminino. Não lembrou aos ouvintes o absurdo de Hillary ao afirmar que o Afeganistão foi invadido para «libertar» mulheres como Orifa. Nada perguntou a Hillary sobre a campanha de terror da sua administração a utilizar drones para matar mulheres, homens e crianças. Não houve qualquer menção à ameaça de Hillary durante a campanha para ser a primeira mulher-presidente dos Estados Unidos, de «eliminar» o Irão e nada sobre o seu apoio às escutas maciças e à continuação de bombardeamentos.

Murray fez uma pergunta importante: Tinha Hillary perdoado Mónica Lewinski por ter tido um caso com o marido? «Perdoar é uma escolha» declarou Hillary, «para mim foi a escolha certa» Isso relembrou os anos 90 e o tempo gasto no «escândalo» Lewinski. O presidente Clinton invadia então o Haiti e bombardeava os Balcãs, Africa e o Iraque. Destruía também a vida de crianças iraquianas; a Unicef participou as mortes de meio milhão de crianças iraquianas com menos de cinco anos, como resultado de um embargo criado pelos Estados Unidos e a Inglaterra.

As crianças não existiam para os media, como não existiram para Hillary Clinton nas invasões que ela permitiu e promoveu — Afeganistão, Iraque, Iémen, Somália. Murray nada disse. Uma fotografia dela e da sua distinta convidada apresenta-as sorridentes.

Na política, como no jornalismo e na arte parece que a discordância anteriormente tolerada na «corrente» regrediu para dissidência: uma metáfora oculta. Quando iniciei a carreira na Fleet Street nos anos 90, era aceitável criticar os poderes ocidentais como uma força rapace. Leia-se James Cameron nos célebres artigos sobre a explosão da bomba de hidrogénio no atol de Bikini, a bárbara guerra na Coreia e os bombardeamentos americanos no Vietname do Norte. Hoje a grande ilusão é a de uma era de informação quando na realidade vivemos numa idade média com propaganda incessante, insidiosa, contagiante, efectiva e liberal.

No seu ensaio de 1859, «Sobre a Liberdade», a que os liberais modernos prestam homenagem, John Stuart afirmou: «Despotismo é um modo legítimo de governo a lidar com bárbaros, desde que seja para seu benefício, e os meios justificados pelo que virão a ser os fins». Os «bárbaros» eram largas faixas da humanidade de que se exigia obediência imediata. É um mito belo e conveniente o de que os liberais trazem a paz e os conservadores são os maus, escreveu o historiador Hywel Williams em 2001, «mas o imperialismo do modo liberal pode ser mais perigoso por causa da sua certeza de representar uma forma superior de vida.» Pensava num discurso de Blair em que o então primeiro-ministro prometia «reorganizar o mundo à nossa volta de acordo com os seus «valores morais».

Richard Falk, a respeitada autoridade de direito internacional e o principal porta-voz das Nações Unidas para a Palestina, já descrito como «um homem sério, de um só rosto, apurada moral representando a imagem positiva dos valores ocidentais e a inocência» validou uma campanha ameaçadora de violência política sem cartel. É largamente aceite como virtualmente imutável.

Aceitação e compreensão para com os guardiões. Na Rádio BBC 4, Razia Iqbal entrevistou Toni Morrison, Nobel afro-americano. Morrison admirava-se que as pessoas estivessem tão iradas com Barack Obama, que era «bom» e queria construir uma economia forte e um sistema de saúde. Morrison estava orgulhosa por ter falado ao telefone com o seu herói, que tinha lido um dos seus livros e a convidou para a sua tomada de posse.

Nem ela nem o entrevistador mencionaram os sete anos de Obama, incluindo a sua campanha de terror com os drones, em que famílias inteiras, os salvadores e os que choravam foram mortos. O que parecia importante era que um homem de cor «bem-falante» tivesse chegado ao poder. Nos «Desgraçados da Terra» Franz Fanon escreveu que a «missão histórica» dos colonizados era servir de «linha de transmissão» aos que governam e oprimem. Nos tempos actuais, o emprego da diferença étnica no poder ocidental e sistema de propaganda é visto agora como essencial. Obama representa isso, embora o gabinete de George W. Bush — o seu antípoda — fosse o mais multiracial na história da presidência.

Quando a cidade de Mossul no Iraque caiu nas mãos dos jihadistas, Obama declarou: «O povo americano fez grandes investimentos e sacrifícios para dar ao Iraque a oportunidade de conseguir um destino melhor». Não é bom? Que belo foi o discurso de Obama na Academia Militar de West Point em 18 Maio. No seu discurso do «estado do mundo» na cerimónia da graduação aos que« vão dirigir a América» através do mundo, Obama declarou «Os Estados Unidos usarão a força militar, unilateralmente se necessário, quando os nossos interesses o exigirem, a opinião internacional conta, mas a América nunca vai pedir autorização…»

Ao repudiar o direito internacional e os direitos das nações independentes, o presidente americano clama uma divindade baseada no poder da «nação indispensável». É uma mensagem familiar de impunidade imperial, embora sempre disposta a ouvir. Evocando o nascimento do fascismo em 1930 Obama afirmou: «Creio na excepcionalidade americana com todas as fibras do meu ser». O historiador Norman Pollack escreveu: «O passo de ganso substituiu a aparente militarização mais inócua da cultura total». E para o líder bombástico, temos o reformador manqué, em força, a planear e a executar o assassinato, a sorrir.

Em Fevereiro, os Estados Unidos montaram um dos seus golpes «coloridos» contra o governo eleito da Ucrânia, explorando protestos genuínos contra a corrupção em Kiev. A assistente de Obama, secretaria de estado Victoria Nuland, pessoalmente «escolheu o líder de um governo interino». Ele pôs-lhe a alcunha de Yats. O vice-presidente Joe Bidden foi a Kiev, assim como o director da CIA John Brennan. As tropas de choque do seu putsch eram fascistas ucranianos.

Pela primeira vez desde 1945, um partido neonazi, abertamente anti-semita, controla áreas chave de poder numa capital europeia. Nenhum líder dos países ocidentais condenou este reviver do fascismo nas fronteiras através das quais os invasores nazis de Hitler tomaram milhões de vidas russas. Foram apoiados pelo Exercito Insurrecto Ucraniano (responsável pelo massacre de Judeus e Russos a quem chamavam «vermes»). O UPA é uma inspiração histórica do actual partido Svoboda e dos seus seguidores de direita. O líder do Svoboda, Oleh Tyahnybok apelou a uma purga da máfia judaica de Moscovo e outra «escumalha», incluindo gays, feministas e outros da ala esquerda.

Desde o colapso da União Soviética, os Estados Unidos rodearam a Rússia com bases militares, aviões nucleares e mísseis como parte do seu plano de alargamento da NATO. Desmentem uma promessa ao presidente soviético Mikhail Gorbatchev em 1990, de que a NATO não iria expandir-se uma polegada a leste. A Nato efectivamente, ocupou militarmente a Europa oriental no antigo Cáucaso soviético. A expansão da NATO é o maior empreendimento militar desde a Segunda Guerra Mundial.

Um plano de acção como membro da NATO é a prenda de Washington para o regime do golpe de Kiev em Agosto. A «Operação Rápida Tridente» coloca as tropas americanas e britânicas na fronteira da Ucrânia com a Rússia e a «Brisa do Mar» envia navios de guerra americanos à vista dos portos russos. Imagine-se a resposta se estes actos de provocação, ou intimidação, fossem realizados nas fronteiras da América.

Ao reclamar a Crimeia — que Nikita Kruschev separou ilegalmente da Rússia em 1954 — os Russos defenderam-se como o têm feito quase há um século. Mais de 90% da população da Crimeia votou pelo regresso do território à Rússia. A Crimeia é o local da Armada do Mar Negro e a sua perda significaria a vida ou a morte para a Marinha Soviética e um prémio para a NATO. Confundindo os partidos da guerra em Washington e Kiev, Vladimir Putin retirou tropas da fronteira ucraniana e pediu aos Russos étnicos da Ucrânia oriental que abandonassem o separatismo.

À moda de Orwell, isso traduziu-se para o ocidente como a «ameaça russa». Hillary Clinton comparou Putin a Hitler. Sem ironia, os comentadores da ala direita alemães, afirmaram-no na media, os neonazis ucranianos são chamados de «nacionalistas» ou «ultranacionalistas». O que eles temem é que Putin procure uma solução diplomática, e talvez a consiga. A 27 de Junho, respondendo às últimas palavras de Putin — o seu pedido ao Parlamento russo para rescindir a legislação que lhe dava o poder de interferir a favor dos russos étnicos da Ucrânia — o secretário de Estado John Kerry lançou outro dos seus ultimatos. A Rússia tem de «agir, literalmente nas próximas horas» para acabar com a revolta na Ucrânia oriental. Kerry é bastante conhecido pelas suas afirmações, mas o sério perigo destes «avisos» é conferir estatuto de pária à Rússia e suprimir notícias das guerras do regime de Kiev ao povo.

Um terço da população da Ucrânia fala russo e é bilingue. Há muito que procuram uma federação democrática que reflicta a diversidade étnica da Ucrânia para serem simultaneamente autónomos e independentes de Moscovo. Muitos não são nem separatistas nem rebeldes mas cidadãos que querem viver em segurança na sua pátria. O separatismo é uma reacção aos ataques da junta de Kiev, que já obrigaram 110 000 (cálculo das Nações Unidas) a fugir para a Rússia. Como sempre, são mulheres e crianças traumatizadas.

Como muitas crianças do embargo ao Iraque e mulheres e raparigas «liberadas», aterrorizadas pelos senhores da guerra da CIA, estes povos étnicos da Ucrânia não existem para os media no ocidente, o seu sofrimento e atrocidades cometidas contra elas minimizadas, ou suprimidas. Nenhum senso da escalada dos assaltos do regime é relatado nas notícias ocidentais principais. Isto não é novo. Lendo de novo as palavras de Philip Knightley «A primeira baixa: o correspondente de guerra como herói, propagandista e criador de mitos», renovo a minha admiração por Phillips Price do Manchester Guardian, o único redactor ocidental a permanecer na Rússia durante a revolução de 1917 e que contou a verdade sobre uma invasão desastrosa dos aliados ocidentais. De espírito aberto e corajoso, Philips Price sozinho destruiu o que Knightley chama um «silêncio negro» anti-russo no ocidente.

A 2 de Maio, em Odessa, 41 russos étnicos foram queimados vivos no quartel general da união comercial, com a polícia ao pé. Há provas de vídeo horripilantes. O líder da ala direita Dmytro Yarosh declarou o massacre como «mais um dia límpido na nossa história nacional». Nos media americanos e britânicos foi considerado uma tragédia horrível resultante dos embates entre nacionalistas (neonazis) e separatistas (pessoas que angariam assinaturas para um referendo numa Ucrânia federal). O New York Times enterrou-o, tendo-o considerado propaganda russa sobre as políticas fascistas e anti-semitas dos novos clientes de Washington. O Wall Street condenou as vítimas. Fogo destruidor na Ucrânia, lançado pelos rebeldes, afirma o governo. Obama cumprimentou a Junta pela sua «contenção».

A 28 de Junho, o Guardian abriu muitas páginas a declarações do presidente do regime de Kiev, o oligarca Petro Poroschenko. Mais uma vez se aplica a lei de Orwell da inversão. Não houve putsch; não houve guerra contra a minoria da Ucrânia; os russos são os culpados de tudo. «Queremos modernizar o meu país, declarou Poroschenko. Queremos introduzir a liberdade, a democracia e os valores europeus. Alguém não gosta disso. Alguém não gosta de nós por isso».

De acordo com esta notícia o repórter do Guardian, Luke Harding, não pesquisou estas declarações, ou mencionou a atrocidade de Odessa, o regime e os ataques de artilharia a áreas residenciais, a morte e rapto de jornalistas, o bombardeamento de um jornal de oposição e a sua ameaça – libertemos a Ucrânia do lixo e dos parasitas. O inimigo — os rebeldes, militantes, insurrectos, terroristas e delegados do Kremlin. Retomemos da história os fantasmas do Vietname, Chile, Timor-Leste, África do Sul, Iraque; têm os mesmos rótulos. A Palestina é a pedra-íman desta mentira imutável. A 11 de Julho, após o último ataque de Israel, armado pelos americanos a Gaza — 120 pessoas incluindo seis crianças numa família — um general israelita escreve no Guardian, sob o título – «Um golpe de força necessário».

Nos anos 70, encontrei Riefenstahl e falámos sobre os seus filmes que glorificavam os Nazis. Utilizando uma câmara revolucionária e técnicas de iluminação, produziu um documentário que mesmerizou os alemães; foi o seu «Triunfo da Vontade» que encantou Hitler. Perguntei-lhe sobre a propaganda nas sociedades que se julgam superiores. Respondeu que as «mensagens» nos seus filmes dependiam não «de ordens superiores» mas do «vazio submisso» da população alemã. «Também incluía a burguesia liberal instruída?» Perguntei «Todos» respondeu, e, claro, a «inteligência».



Tradução Manuela Antunes





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Redesenhar o mapa da Federação Russa: Partição da Rússia após uma III Guerra Mundial?

DESENVOLVIMENTO DO HOMEM E DA SOCIEDADE - Da comunidade primitiva ao fim do feudalismo

O movimento operário e sindical