A Carta das Nações Unidas foi lançada à imundície, o secretário-geral da ONU esteve ao nível do seu perfil, como facilitador e colaborador diligente de mais esta empreitada imperialista.

Sobre a guerra e a crise

Por Luís Carapinha



Ao compasso da mais grave crise sistémica o imperialismo clama por guerra

Prossegue a guerra de agressão contra a Líbia protagonizada por um conjunto de potências com os EUA à cabeça. Como era previsível, desde que a 17 de Março o Conselho de Segurança (CS) da ONU aprovou o vergonhoso mandato de intervenção, a «zona de exclusão aérea» tornou-se no cavalo de Tróia de uma guerra terrorista e espoliadora que tem como alvo a soberania nacional e integridade territorial líbias.

Dos 15 membros do CS nenhum se opôs à guerra, incluindo dois dos cinco países com poder de veto, a Rússia e a China, que optaram pela abstenção. Um dos 10 estados que votaram a favor de uma resolução que num farisaísmo intolerável proclama como objectivo supremo a «protecção dos civis» foi a Colômbia, precisamente um dos regimes com mais sinistro registo em matéria de direitos humanos.



Anteriormente, o CS já evidenciara uma celeridade recorde ao endossar o mais que duvidoso dossier líbio para esse fantasma que dá pelo nome de TPI, protótipo de um aparelho supranacional de (in)justiça de classe, do qual, por precaução e em suprema hipocrisia, nem sequer os próprios EUA são subscritores…


Em todo este processo, em que a moral e a ética desceram ao nível do subsolo e a Carta das Nações Unidas foi lançada à imundície, o secretário-geral da ONU esteve ao nível do seu perfil, como facilitador e colaborador diligente de mais esta empreitada imperialista.


Ao olhar os ecrãs( Tela ) televisivos e folhear as páginas da imprensa dos meios da comunicação social dominante não se encontram os sinais da devastação de uma guerra pérfida que não poupa civis e destrói metodicamente infraestruturas económicas da Líbia. Os propósitos reaccionários e neocoloniais da presente campanha convertem-se em tabu e o escandaloso e descarado saque das reservas soberanas e activos do Estado líbio perde-se nas entrelinhas.

Dia após dia correm as imagens caóticas dos bandos armados exultantes, sobre os quais já não é possível esconder serem «incapazes de ganhar terreno sem o apoio crucial dos bombardeamentos aliados» (El País.com, 29.03.11). Poucos estarão conscientes de que a bandeira que ostentam é a da defunta monarquia líbia dos tempos em que o país se curvava sob o diktat forâneo e os EUA e a Inglaterra aí disponham de bases militares. Mas que importa isso quando se trata de salvar civis?


Rasmussen, o secretário-geral de turno da NATO só pensa em salvar civis.


A NATO, que finalmente tomou de corpo inteiro as rédeas da operação Odisseia Amanhecer, amarradas as convulsões internas sob o véu da concertação, acaba de estrear nos céus (e, quiçá, já na terra) da Líbia o novíssimo conceito estratégico aprovado há cinco meses na Cimeira de Lisboa. Quando se trata de salvar civis e outras matérias afins, o background da Aliança militar imperialista é invejável. A Jugoslávia ou as guerras em curso no Iraque e Afeganistão, com todo o seu rotineiro caudal de atrocidades, aí estão para persuadir os mais renitentes em crer no zelo humanitário do imperialismo.


Perigoso sinal dos tempos, a inconsistência de toda esta operação é confrangedora.

País rico em reservas de petróleo, gás e água doce, a Líbia enfrenta o espectro da divisão e somalização. Ao intervir no país africano em que a vinculação tribal permanece poderosa, o imperialismo tenta alcançar em semanas objectivos que na Jugoslávia exigiram anos.


A contra-ofensiva da reacção árabe, desde sempre apoiada pelas grandes potências capitalistas, está em pleno desenvolvimento. Mais além da exigência fundamental em aplacar os genuínos movimentos de revolta popular, o caos e a vaga desagregadora que se instala em vastas áreas constituem o reverso da moeda da crescente centralização capitalista e da tentativa de imposição de uma nova ordem mundial hegemónica que avança contra o tempo.


Ao compasso da mais grave crise sistémica o imperialismo clama por guerra. Será que Obama vai receber um novo Nobel da Paz? ...

O importante é saber que sob estes ventos a Humanidade navega rumo à catástrofe. Há que evitá-lo.

FONTE:  Avante!



O Mafarrico

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Redesenhar o mapa da Federação Russa: Partição da Rússia após uma III Guerra Mundial?

DESENVOLVIMENTO DO HOMEM E DA SOCIEDADE - Da comunidade primitiva ao fim do feudalismo

O movimento operário e sindical