Pesquisa Mafarrico

Translate

domingo, 6 de março de 2011

Portugal:Se não tivesse ocorrido o golpe militar na madrugada de 25 de Abril, como teria sido o 1.º de Maio de 1974?

Intensas lutas populares nos últimos anos do regime

O fascismo não caiu por si

Se não tivesse ocorrido o golpe militar na madrugada de 25 de Abril, como teria sido o 1.º de Maio de 1974?

Observa-se o ascenso das lutas dos trabalhadores, nas fábricas, no comércio, nos campos, nos transportes, na banca, nas pescas; olha-se as movimentações de contestação aberta do fascismo a alastrar entre os estudantes do ensino superior e do secundário, recorda-se episódios que denotavam crescente descontentamento nos meios militares e entre os intelectuais, na Igreja.

Atenta-se no incremento da repressão e vê-se grandes manifestações de solidariedade com dirigentes detidos, mas também com trabalhadores em luta.

 
Lembramos as decisões do 6.º Congresso do PCP, em 1965, apontando a via e os objectivos para o derrube do regime fascista, reafirmados após a substituição de Salazar por Caetano na cadeira do poder dos grandes monopólios – que suscitou vacilações noutras correntes da oposição democrática. Recorda-se o nascimento da Intersindical, a 1 de Outubro de 1970, num período em que dezenas de direcções sindicais, dinamizadas por comunistas e merecendo a confiança dos associados, eram eleitas para sindicatos que havia décadas estavam tomados pelo regime.

As farsas eleitorais de 1969 e 1973, com todos os perigos e sacrifícios que tal implicou, foram aproveitadas para desenvolver intensas batalhas políticas.
O aumento do custo de vida, a guerra colonial, o desemprego, a censura, a repressão, o analfabetismo, a ignorância e o medo eram um fardo pesado, mas a resistência e a luta das massas populares impunham-se como saída determinante para os problemas da economia e da sociedade.

Não era nada fácil tomar uma opção de luta colectiva: os riscos iam do despedimento à prisão, à tortura, à morte. Mas era insuportável não reagir. Os comunistas davam o exemplo, mas também davam o rumo mais acertado. Novas vagas de greves e acções reivindicativas ocorrem em Outubro de 1973 e Fevereiro de 1974. O mal-estar entre os militares desemboca no «Movimento dos Capitães», que se tornaria rapidamente num movimento político.

Naquele que viria a ser o último número do Avante! publicado na clandestinidade, já em Abril de 1974, o PCP apela: «Não dar tréguas ao fascismo» e «Aliar à luta antifascista os patriotas das Forças Armadas». A celebração do Dia do Trabalhador tinha sido tratada numa reunião da Intersindical, semiclandestina, no Sindicato dos Técnicos de Desenho. Reuniões semelhantes decorreram um pouco por todo o País.

Como seria o 1.º de Maio sem 25 de Abril? Mas tinha que haver 25 de Abril, nem que fosse a 1 de Maio! O derrube do fascismo era uma necessidade imposta pela luta do povo.

FONTE: JORNAL AVANTE
 
O Mafarrico

Nenhum comentário:

Postar um comentário