Pesquisa Mafarrico

Translate

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Maiakovski: 130 anos do poeta da revolução proletária

Maiakovski: 130 anos do poeta da revolução proletária
por Jonatas Henrique
 
"Maiakovski trabalhou febrilmente pela Revolução. Seu objetivo maior era forjar uma arte renovada, tanto na forma como no conteúdo, capaz de elevar a cultura geral das massas e prepará-las para os enormes desafios da nova pátria soviética. No poema “O poeta-operário”, afirma que a arte é um trabalho, uma produção que deve ter um sentido concreto, imediato, um valor social útil, tal como a produção dos bens materiais da sociedade. Por isso, defendia a opinião de que o artista revolucionário deve encarar-se como um trabalhador, um operário das artes, “a esculpir a tora da cabeça humana” e a “pescar homens vivos”. Somente assim conseguirá fundir-se com o povo e transformar sua obra artística em produtos de consumo úteis para os trabalhadores."



Há 130 anos, no dia 19 de julho de 1893, numa pequena aldeia de Bagdádi, na Geórgia, nascia Vladimir Vladimirovitch Maiakovski. Filho de Vladimir Konstantinovitch e Aleksandra Aleksieievna – ambos camponeses pobres –, Maiakovski tinha duas irmãs mais velhas: Liudmila e Olga.

A infância miserável – sobretudo após a transferência forçada de sua família para Moscou, após a morte de seu pai, em 1906 – e o contato precoce com o movimento revolucionário que despontava na Rússia marcariam para sempre a vida de Maiakovski.

Nessa época, todo o Império Russo foi sacudido pelas lutas sociais. Em 1905, após o massacre da polícia czarista a milhares de trabalhadores – também conhecido como o “Domingo Sangrento” – explodiram em vários cantos do País manifestações de operários, camponeses e soldados exigindo o fim da monarquia e a instauração de uma República Democrática. Era a Revolução de 1905. Maiakovski, com apenas 12 anos, que então já acompanhava os acontecimentos políticos através de jornais e panfletos socialistas, integrou-se ativamente às manifestações.

A partir daí, o jovem Maiakovski passa a ler vorazmente a literatura marxista. Em 1908, abandona o ginásio e entra para a ala bolchevique do Partido Operário Social-Democrata da Rússia (POSDR). Executa tarefas de propaganda em círculos operários. Chegou a ser eleito para o comitê municipal de Moscou. Era conhecido como camarada Constantin.

Maiakovski é preso pela primeira vez em 1908 numa tipografia clandestina, mas logo depois é liberado. Após se envolver na libertação de um conjunto de militantes do Partido que cumpriam pena, é preso novamente em 1909. Seu cárcere dura onze meses. Na prisão, lê muito, principalmente os clássicos da literatura – Dostoievski, Tolstoi, Gogol, Pushkin – e escreve poemas.

Desatai o futuro!

Ao sair da prisão, decide aprofundar seus conhecimentos em arte. Entra, então, para a Escola de Belas Artes de Moscou para estudar pintura. Lá conhece o pintor e poeta David Burliuk e, juntamente com outros artistas, lança, em 1912, o manifesto “Bofetada no gosto público”, criando o movimento cubo-futurista russo.

Revolta contra as amarras do passado, destruição do culto estéril dos clássicos, busca por inovações nas formas de expressão artística eram as características fundamentais do movimento. Seus integrantes foram fortemente criticados, até serem expulsos da Escola de Belas Artes. O futurismo russo diferenciava-se muito do futurismo surgido na Itália, sob a direção de Marinetti. Enquanto este passou a defender abertamente a guerra imperialista (e tempos depois o fascismo de Benito Mussolini), os futuristas russos abraçaram, quase em uníssono, a vitoriosa Revolução de Outubro de 1917, incorporando-se à construção da nova sociedade. O próprio Maiakovski foi quem disse: “Aderir ou não aderir? Esta questão não se colocava para mim (nem para os outros futuristas moscovitas). Era a minha revolução. Eu fui ao Smolny. Trabalhei em tudo que me vinha às mãos”. Seus versos de luta eram cantados pelos soldados do Exército Vermelho enquanto ocupavam o Palácio de Inverno: “Come o ananás, mastiga a perdiz,/Teu último dia está chegando, burguês!”.

A arte é indústria, o artista é operário


 
Maiakovski trabalhou febrilmente pela Revolução. Seu objetivo maior era forjar uma arte renovada, tanto na forma como no conteúdo, capaz de elevar a cultura geral das massas e prepará-las para os enormes desafios da nova pátria soviética. No poema “O poeta-operário”, afirma que a arte é um trabalho, uma produção que deve ter um sentido concreto, imediato, um valor social útil, tal como a produção dos bens materiais da sociedade. Por isso, defendia a opinião de que o artista revolucionário deve encarar-se como um trabalhador, um operário das artes, “a esculpir a tora da cabeça humana” e a “pescar homens vivos”. Somente assim conseguirá fundir-se com o povo e transformar sua obra artística em produtos de consumo úteis para os trabalhadores.

Sua poesia expressa muito bem essa confiança e a admiração inquebrantável pela Revolução, como parteira do novo mundo e do novo homem, livres da exploração. “Nossa Marcha”, “À Esquerda”, “Versos sobre o passaporte soviético”, “Nós, os Comunistas”, “150 milhões”, “A plenos pulmões” são apenas alguns exemplos. É dele também o épico “Vladimir Ilitch Lênin”, poema com mais de três mil versos em homenagem ao chefe maior da Revolução, falecido em 1924. Maiakovski não cansava de repetir, nas palestras e recitais que fazia por toda a União Soviética e nos países que percorreu: “Sem o comunismo não existe amor”.

O poeta solar resplandece!

Além da poesia, escreveu ensaios teóricos, peças de teatro e roteiros para cinema. Atuou – a maioria das vezes como ator principal – e ajudou a conceber os cenários e figurinos das montagens de seus textos. Durante a guerra civil, entre 1918 e 1921, esteve à frente da Rosta (sigla em russo da Agência Telegráfica Russa), pintando inúmeros cartazes de agitação e propaganda. Em todas essas obras promovia a emulação socialista, incitando o povo a impulsionar a produção econômica e a lutar contra os inimigos, internos e externos, da revolução e contra os resquícios da moral burguesa, como o individualismo e o burocratismo. Manteve contatos estreitos e projetos paralelos com outros grandes nomes da arte soviética, como Máximo Gorki, Serguei Eisenstein e Dziga Vertov, o compositor Shostakovitch e o dramaturgo Meyerhold.


A todos!…

Eu morro, não culpeis disso a ninguém.

E nada de falatórios. O defunto tinha horror a isso.

Mamãe, minhas irmãs, meus camaradas, perdoem-me, isto não é um meio (não o aconselho a ninguém), mas para mim não há outra saída.

Lili, ama-me.

Camarada governo, minha família é Lilia Brik1, mamãe, minhas irmãs e Verônica Votoldnovna Polonskaia: Se tu lhes torna a vida possível, obrigado.

Os poemas começados dai-os aos Brik. Neles reencontrarão.

Como se diz:

“O incidente está encerrado”

o barco do amor

quebrou-se contra a vida cotidiana

estou quite com a vida

Inútil passar em revista

As dores

As desgraças

E os erros recíprocos.

Sede felizes!

V.M.

Com estas trágicas palavras, Vladimir Maiakovski despedia-se do mundo. Suicidou-se com um tiro no peito em 14 de abril de 1930, com quase 38 anos.

A comoção foi geral. Morria um dos artistas mais proeminentes, versáteis, entusiasmados e populares da história soviética e “o melhor, o mais talentoso poeta da nossa era soviética”, nas palavras de Stálin. Seu funeral contou com a presença de aproximadamente 150 mil pessoas. Em “A extraordinária aventura acontecida a Vladimir Maiakovski”, escrita em 1920, descreve-se um fabuloso encontro: o poeta desafia o sol a descer do céu para fazer-lhe uma visita. Este aceita o convite e os dois logo se tornam amigos. Por fim, fazem o pacto de brilhar eternamente, cada um à sua maneira, com seus “feixes de luz e versos”, para eliminar as trevas do mundo. Neste belíssimo poema, Maiakovski resume a essência revolucionária de sua vida e sua obra, inteiramente dedicadas à alvorada comunista da humanidade, que ainda nos dias atuais povoa a esperança e a luta dos homens e mulheres em todo o globo:


Iluminar para sempre

Iluminar tudo

Até os últimos dias da eternidade

Iluminar!

O resto não importa.

Tal é o meu lema,

Igual ao do sol.
 
 

Jonatas Henrique, Belo Horizonte
 
 
 
Fonte: A Verdade em www.averdade.org.br
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário