Terrorismo à la carte

Terrorismo à la carte
por Luís Carapinha
 

 
"No pano de fundo de agravamento da crise sistémica do capitalismo, a carta do terrorismo continuará a ser usada pelo imperialismo na sua agenda externa e interna. Para combater a soberania dos povos e criminalizar a luta de resistência. E ir instaurando a ordem repressiva que o novo paradigma de exploração e concentração capitalista exige com crescente impaciência. "

 
 
São muitas as interrogações em torno do atentado de 15 de Abril em Boston. A incredulidade da versão oficial dos acontecimentos é afogada na água turva da torrente dos media, visando a instilação de um clima de irracionalidade e fobia securitária que não se limita às fronteiras dos EUA. Apesar das diferenças, é inevitável a sensação de déjá vu e a analogia com o 11 de Setembro de 2001. Sobretudo, com a campanha terrorista lançada pelos EUA por via do mito do combate ao terrorismo de Bin Laden e da Al-Qaeda após os atentados contra as Torres Gémeas e o Pentágono. Tal como depois do 11 de Setembro, naquilo que se seguirá encontrar-se-á provavelmente as respostas às questões clássicas: Quem lucra com esta acção? Que interesses e agenda serve?

Desta feita as culpas não apontam para um cérebro maligno a operar desde as cavernas do Afeganistão (os EUA e a NATO até planeiam evacuar em 2014 o grosso das tropas de ocupação, deixando o mínimo indispensável à manutenção do foco desestabilizador afegão). Mas sim para a pista russa – os acusados são de etnia chechena –, o que só por si demonstra que a parada é muito alta. Tal como em 2001, Pútin apressou-se a apelar à cooperação com os EUA na luta contra o terrorismo, mas lembrando o apoio do Ocidente aos grupos islâmicos chechenos.
 
O presidente russo não ignora que, a propósito de Boston, surgem do interior do establishment dos EUA vozes que apontam agora o Cáucaso russo como um viveiro de terrorismo. Sinais seguros do aumento da pressão sobre a Rússia do complexo financeiro-militar-industrial que determina a orientação estratégica dos EUA, a poucos meses da realização em São Petersburgo da Cimeira do G-20.
 
E a menos de um ano dos Jogos Olímpicos de Sochi (Inverno de 2014), às portas do Cáucaso… Do lado russo, a par das declarações oficiais não passam despercebidos relatos saídos na imprensa do envolvimento de T. Tsarnaiev – principal suspeito do atentado em Boston, eliminado à cabeça da «investigação» – em acções desestabilizadoras da CIA no Norte do Cáucaso que seriam conduzidas com o apoio da Geórgia. Washington sabe que depois da desintegração da URSS, a instável situação (com base social e nacional) nas repúblicas do Cáucaso representa o calcanhar de Aquiles da própria integridade territorial da Federação Russa. Por isso, sempre promoveu de forma subterrânea, inclusive desde o interior do Kremlin, nos anos de Iéltsin, Berezovski e Cia., o terrorismo separatista no Cáucaso.
 
Quadro que ganha uma nova dimensão depois da operação contra a Líbia e, principalmente, com a guerra terrorista em curso na Síria. É sob a cobertura do espantalho do terrorismo que Boston veio avivar, que surgem novos sinais de escalada militarista, num momento em que os grupos a soldo na Síria sofrem revezes na frente militar. As acusações provocatórias, lançadas pelos serviços secretos de Israel, da utilização de armas químicas por Damasco e que encontram eco em Londres, Paris e Washington (apesar de sinais pouco consistentes de certo distanciamento da Casa Branca…), inserem-se nesta perspectiva que tem os olhos fixados no Irão e decorre da agenda estratégica contra a Rússia e a China.

No pano de fundo de agravamento da crise sistémica do capitalismo, a carta do terrorismo continuará a ser usada pelo imperialismo na sua agenda externa e interna. Para combater a soberania dos povos e criminalizar a luta de resistência. E ir instaurando a ordem repressiva que o novo paradigma de exploração e concentração capitalista exige com crescente impaciência.

 
 
Fonte: Avante em www.avante.pt
 
 
 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Redesenhar o mapa da Federação Russa: Partição da Rússia após uma III Guerra Mundial?

DESENVOLVIMENTO DO HOMEM E DA SOCIEDADE - Da comunidade primitiva ao fim do feudalismo

O movimento operário e sindical