Pesquisa Mafarrico

Translate

sábado, 24 de outubro de 2015

"Lenin e o Movimento Operário Revolucionário nos Balcãs"

"Lenin e o Movimento Operário Revolucionário nos Balcãs"
por Georgi Dimitrov

publicado no "Krasnii International des Syndicats" n.°s 1-4, 1924


"Em parte alguma o problema nacional está mais complicado e embrulhado do que nos Balcãs, onde as diversas nacionalidades estão misturadas e fundidas nos limites de um território, a ponto de constituir um verdadeiro mosaico. A questão nacional é a questão fundamental da política balcânica. As classes e as dinastias burguesas nos países balcânicos, tal como nos grandes estados imperialistas, utilizaram sempre e continuam a utilizar as contradições nacionais existentes para os seus objetivos de conquista, atiçando o ódio nacional nesses países e opondo-os uns contra os outros."

"Lenin forneceu uma solução justa e clara da questão nacional, que encontrou a sua expressão prática na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. A ideia do direito dos povos de disporem de si mesmos — lançada por Lenin — direito que vai, para as nacionalidades mais importantes até à separação e constituição de um Estado, lançou uma luz esclarecedora sobre o complicado problema nacional dos Balcãs. As massas trabalhadoras dos países balcânicos viram claramente que o problema é perfeitamente solúvel e que a sua solução é possível, não no terreno querido da burguesia e das dinastias balcânicas — a partilha dos Balcãs — mas sim pela reunificação livre de todas as nacionalidades que povoam a península dos Balcãs — numa união federal que lhes possa assegurar a plena liberdade e o direito de disporem de si próprias."

O movimento operário nos países balcânicos, e sobretudo na Bulgária, Sérvia e Romênia, encontrava-se desde a sua origem sob a influência do movimento revolucionário da Rússia. Os primeiros organizadores, os primeiros dirigentes da classe operária destes países eram os alunos diretamente formados pelos marxistas russos. Os melhores quadros dos intelectuais da classe operária eram educados e formados sob a influência da literatura marxista russa, por um lado, e sob a influência da luta heroica dos revolucionários russos contra a czarismo, a burguesia e o oportunismo, por outro.

Mas o movimento operário dos países balcânicos deve o seu carácter revolucionário, claro e definido, antes de tudo a Lenin e aos seus discípulos. A luta do proletariado balcânico no decurso dos últimos anos está diretamente ligada ao nome e à grande obra de Lenin.

Desde o início da guerra imperialista, Lenin conquista os corações dos operários balcânicos em luta, pelo seu combate intransigente contra o imperialismo e os seus auxiliares social-chauvinistas. O seu apelo profético e corajoso de salvar a humanidade trabalhadora pela ditadura do proletariado encontrou um eco profundo no seio das largas massas operárias dos países balcânicos.

Quando em maio de 1917 Lenin proclamou a palavra de ordem histórica: «Todo o poder aos Sovietes» o proletariado búlgaro viu nele, desde logo, o seu guia.

Depois da Revolução de Outubro, de que a encarnação viva foi o próprio Lenin, o seu nome tornou-se a bandeira da luta de libertação dos operários e camponeses balcânicos.

Os seus livros clássicos, «O Estado e a Revolução» e «O Imperialismo, Estádio Supremo do Capitalismo», tornam-se livros de cabeceira dos operários balcânicos em luta.

A grande ideia de Lenin sobre a aliança dos operários e camponeses, que encontrou a sua encarnação total na revolução russa, e assegurou a vitória da primeira revolução operária e camponesa do mundo, era e é ainda uma revelação feliz para as massas trabalhadoras balcânicas. Ela iluminou como um farol o caminho que deve seguir o proletariado dos países balcânicos a fim de chegar à vitória na sua luta de libertação.

É precisamente nesta ideia que se inspiraram as massas trabalhadoras na Bulgária quando, em setembro de 1923, se levantaram numa insurreição armada contra a reação burguesa e fascista que se encontrava no poder, lutando pelo estabelecimento de um governo operário e camponês. A insurreição foi reprimida devido à superioridade das forças armadas do adversário, mas a aliança das massas operárias e camponesas consolidou-se para sempre; ela foi selada pelo sangue de milhares de militantes que morreram e é presentemente o trunfo da vitória próxima e definitiva dos trabalhadores búlgaros.

Em parte alguma o problema nacional está mais complicado e embrulhado do que nos Balcãs, onde as diversas nacionalidades estão misturadas e fundidas nos limites de um território, a ponto de constituir um verdadeiro mosaico. A questão nacional é a questão fundamental da política balcânica. As classes e as dinastias burguesas nos países balcânicos, tal como nos grandes estados imperialistas, utilizaram sempre e continuam a utilizar as contradições nacionais existentes para os seus objetivos de conquista, atiçando o ódio nacional nesses países e opondo-os uns contra os outros.

Lenin forneceu uma solução justa e clara da questão nacional, que encontrou a sua expressão prática na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. A ideia do direito dos povos de disporem de si mesmos — lançada por Lenin — direito que vai, para as nacionalidades mais importantes até à separação e constituição de um Estado, lançou uma luz esclarecedora sobre o complicado problema nacional dos Balcãs. As massas trabalhadoras dos países balcânicos viram claramente que o problema é perfeitamente solúvel e que a sua solução é possível, não no terreno querido da burguesia e das dinastias balcânicas — a partilha dos Balcãs — mas sim pela reunificação livre de todas as nacionalidades que povoam a península dos Balcãs — numa união federal que lhes possa assegurar a plena liberdade e o direito de disporem de si próprias.

Graças à doutrina de Lenin, os trabalhadores dos países balcânicos em luta, têm, neste momento, uma ideia mais clara da necessidade de união na luta política e económica. E, graças igualmente a esta doutrina, o movimento sindical nos países balcânicos não se tornou um instrumento dos diversos partidos burgueses. Ele possui um carácter revolucionário de classe em que os interesses de grupo e os diversos interesses momentâneos estão submetidos aos interesses, às tarefas e aos objetivos comuns da classe operária.

E, se, no movimento operário dos países balcânicos, o oportunismo desempenha um papel tão insignificante e exerce uma influência tão fraca como em mais nenhuma outra parte — salvo na Rússia — sobre as massas trabalhadoras, isto explica-se porque ele segue o caminho traçado pelo nosso grande educador e guia, Vladimir llitch Lenin.

Neste momento em que cada operário, cada camponês dos países balcânicos chora a morte de Lenin, as suas ideias difundiram-se em toda a península dos Balcãs. Elas são a estrela que os guia, na noite escura da reação burguesa e fascista que domina e sevícia ferozmente por toda a parte, e anunciam a vitória eminente da União das Repúblicas Operárias e Camponesas Balcânicas.




por Georgi Dimitrov, publicado no "Krasnii International des Syndicats" n.°s 1-4, 1924.


Fonte: Nova Cultura



Nenhum comentário:

Postar um comentário