Pesquisa Mafarrico

Translate

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Jihadistas imperiais

Jihadistas imperiais
por Jorge Cadima

"A arrogância imperialista não tem limites. Ashton Carter confessou (Washington Post, 20.10.02) que, enquanto vice-ministro da Defesa de Clinton, passou «boa parte do primeiro semestre de 1994» a preparar um ataque militar a uma central nuclear norte-coreana. E Brzezinski é pai político do jihadismo global, como confessou na sua entrevista ao Nouvel Observateur (15.1.98) quando, ufano, se vangloriou: «Segundo a versão oficial da história [!], a ajuda da CIA aos mujahedines começou em 1980, ou seja, após o exército soviético ter invadido o Afeganistão em 24 de Dezembro de 1979. Mas a verdade, mantida secreta até hoje, é bem diferente: foi na realidade a 3 de Julho de 1979 que o presidente Carter assinou a primeira directiva sobre a ajuda clandestina aos opositores do regime pró-soviético de Kabul». "

O perigo dum conflito catastrófico é hoje bem real. Atente-se nas declarações de alguns dos principais responsáveis da política externa da maior potência imperialista. Zbigniew Brzezinski, ex-Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA publicou no Financial Times (4.10.15) um artigo que começa assim: «Todos sabemos como começou a primeira guerra mundial. […] Há ainda tempo para evitar uma dolorosa repetição, eclodindo desta vez no Médio Oriente e mais especificamente na Síria». Porquê esta referência a um conflito entre as duas maiores potências nucleares do planeta? Escreve Brzezinski: «Moscovo escolheu intervir militarmente [na Síria], mas sem cooperação política ou táctica com os EUA – a principal potência externa empenhada em esforços directos, se bem que não muito eficazes, para derrubar [o presidente sírio] Assad. 

Ao fazê-lo, lançou alegadamente uma série de ataques contra elementos sírios que são patrocinados, treinados e equipados pelos americanos, provocando prejuízos e causando baixas». Brzezinski confessa numa única frase que os EUA são a principal potência por detrás da guerra na Síria (e da vaga de refugiados que provocou); que estão a patrocinar, treinar e armar jihadistas; e que são os EUA, e não o governo sírio, quem deve mandar naquele país. Adianta Brzezinski: «Os EUA têm apenas uma opção, se desejam proteger os seus interesses mais amplos na região: exigir a Moscovo que pare e desista de acções militares que afectam directamente os agentes [“assets”] americanos. [...] qualquer repetição do que acaba de se passar deve levar a uma rápida retaliação pelos EUA». 

Em curtas palavras: não se atrevam a tocar nos nossos jihadistas, nem a interferir nas nossas operações de agressão e mudança de regime. Seguindo as pegadas de Al Capone, adverte: «A presença naval e aérea russa na Síria é vulnerável, está isolada geograficamente do seu país. Pode ser “desarmada” se insistirem em provocar os EUA». A ameaça foi repetida pelo ministro da Defesa dos EUA (país que também está a bombardear a Síria, mas – ao contrário dos russos – à revelia do governo sírio). Ashton Carter, falando em conferência de imprensa após a reunião de NATO em Bruxelas (8.10.15), disse: «[os russos] dispararam mísseis cruzeiro dum navio no Mar Cáspio sem aviso prévio. Aproximaram-se a poucos quilômetros [!] dum dos nossos aviões não tripulados. Iniciaram uma ofensiva conjunta terrestre com o regime sírio, estilhaçando a fachada de que estariam lá para combater o ISIS [?!?]. Isto terá consequências para a própria Rússia, que receia justamente um ataque contra a Rússia. E também espero que nos próximos dias os russos comecem a sofrer baixas na Síria». Para bom entendedor...

A arrogância imperialista não tem limites. Ashton Carter confessou (Washington Post, 20.10.02) que, enquanto vice-ministro da Defesa de Clinton, passou «boa parte do primeiro semestre de 1994» a preparar um ataque militar a uma central nuclear norte-coreana. E Brzezinski é pai político do jihadismo global, como confessou na sua entrevista ao Nouvel Observateur (15.1.98) quando, ufano, se vangloriou: «Segundo a versão oficial da história [!], a ajuda da CIA aos mujahedines começou em 1980, ou seja, após o exército soviético ter invadido o Afeganistão em 24 de Dezembro de 1979. Mas a verdade, mantida secreta até hoje, é bem diferente: foi na realidade a 3 de Julho de 1979 que o presidente Carter assinou a primeira directiva sobre a ajuda clandestina aos opositores do regime pró-soviético de Kabul». 

Trinta e seis anos depois de criar o monstro fundamentalista, e 24 anos após o fim da URSS, os EUA continuam a matar no Afeganistão (acabam de bombardear um hospital dos Médicos Sem Fronteira, incinerando o respectivo pessoal médico). E o jihadismo imperialista alastra, qual cavaleiro do Apocalipse, pelo Médio Oriente fora. E a fúria dos Padrinhos ameaça quem se atrever a cruzar-se no seu caminho.




Fonte: Avante



Nenhum comentário:

Postar um comentário