Pesquisa Mafarrico

Translate

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

«Tempestade perfeita»

«Tempestade perfeita»
por Ângelo Alves

"As notícias de que crianças refugiadas podem não resistir aos rigores do Inverno nos Balcãs ou França dão uma ideia clara da barbárie. Uma barbárie não só tolerada mas alimentada por aqueles que enchem a boca de democracia mas que fecham os olhos às execuções na Arábia Saudita ou à massiva perseguição política na Turquia de activistas e académicos que lutam pela democracia e denunciam a política de guerra de Erdogran que está na origem dos atentados de Ankara e Istambul. Trata-se de fascismo, o mesmo fascismo que na Ucrânia, na Polónia ou na Hungria faz caminho na repressão das liberdades, na perseguição aos comunistas e no ódio aos estrangeiros. Fascismo que é apoiado pela NATO e pela «democrática» União Europeia que brindam os seus «aliados» turcos e ucranianos com «pacotes de ajuda» e se lançam, com eles, de cabeça, na lógica do confronto."

O Mundo entrou em 2016 com uma situação que dificilmente poderia ser mais instável, perigosa e complexa. As notícias do ultimo mês e meio não deixam margem para dúvidas. O Mundo está a ser fustigado por uma situação de crise multifacetada, de guerra e de ressurgimento do fascismo. A violência e instabilidade com que o sistema está a evoluir no contexto de um extremamente complexo processo de rearrumação de forças remete-nos para a imagem de uma «tempestade perfeita», com tudo o que tem de magnitude e poder destruidor.

No plano económico a instabilidade e as perdas em bolsa da última semana, de Shangai a Nova Iorque, são um sinal de que algo está a correr muito mal. A descida histórica do preço do barril de petróleo abaixo dos 30 dólares e a crise dos preços das matérias-primas, são indicadores que apontam para a ferida real, ou seja a economia produtiva e a contracção do consumo. 

A crise afecta agora as economias emergentes e de entre elas gigantes como a China, a Índia e o Brasil. Nos EUA são já muitos aqueles que decifram os dados da economia norte-americana, aparentemente positivos, alertando que estes escondem uma real recessão na economia produtiva e um gigante inflar das bolhas de crédito. Na Europa a deflação continua a marcar as perspectivas de uma economia estagnada e mergulhada em escândalos. O Mundo está mais pobre e mais injusto como o revelam os recentes estudos que indicam que os 62 multimilionários mais ricos do Mundo detêm tanta riqueza como metade da população mundial.

É essa a razão de fundo da instabilidade, da guerra e da insegurança. Após os hediondos ataques terroristas de Paris assistimos a uma sucessão de episódios que apontam no sentido de uma «globalização» da escalada de violência. Burkina Fasso, Jakarta, Istambul são os últimos três exemplos do terror que se espalha por quase todos os continentes. Como sempre na história, o terrorismo não surge por «geração espontânea», está associado à política de guerra, que por sua vez está ligada à exploração e à opressão.

As notícias de que crianças refugiadas podem não resistir aos rigores do Inverno nos Balcãs ou França dão uma ideia clara da barbárie. Uma barbárie não só tolerada mas alimentada por aqueles que enchem a boca de democracia mas que fecham os olhos às execuções na Arábia Saudita ou à massiva perseguição política na Turquia de activistas e académicos que lutam pela democracia e denunciam a política de guerra de Erdogran que está na origem dos atentados de Ankara e Istambul. Trata-se de fascismo, o mesmo fascismo que na Ucrânia, na Polónia ou na Hungria faz caminho na repressão das liberdades, na perseguição aos comunistas e no ódio aos estrangeiros. Fascismo que é apoiado pela NATO e pela «democrática» União Europeia que brindam os seus «aliados» turcos e ucranianos com «pacotes de ajuda» e se lançam, com eles, de cabeça, na lógica do confronto.

Quando a situação caótica em que está o Mundo aconselhava a retirar lições do passado, o único caminho que o poder imperialista consegue ver é o da guerra. Não pára e prepara-se para cometer os mesmos crimes, sob os mesmos pretextos, com os mesmos métodos. É o caso da possibilidade de uma nova intervenção militar dos EUA, NATO e UE na Líbia, para onde já correm dezenas de milhares de marines, e meios militares são concentrados nas bases italianas da NATO e na base britânica em Chipre. Uma guerra que mais uma vez será apresentada para «repor o controlo» a pedido «do legítimo governo de unidade nacional» e para «combater o terrorismo». Mas que na realidade tem um único e só objectivo: controlar as infra-estruturas do petróleo líbio, que caiu nas mãos dos ex-aliados dos EUA em Tripoli, agora apelidados de Daesh.

A «tempestade perfeita» está a tomar forma… mas contrariamente à tempestade real esta pode ser travada por uma muito mais poderosa força da natureza: a luta dos povos, pela paz, o progresso e o socialismo.


Fonte:Avante 




Nenhum comentário:

Postar um comentário