Pesquisa Mafarrico

Translate

sábado, 28 de abril de 2012

Colômbia: Sem mais cartas na manga, Santos!

Sem mais cartas na manga, Santos!
Timoleón Jiménez
Comandante do Estado-Maior Central das FARC-EP
Montanhas da Colômbia
(resumo)


Não se equivoquem. Um processo de paz com as FARC não pode ser secreto nem às costas do país, há de ser num cenário em que o povo colombiano possa voltar a denunciar e conseguir, por fim, justiça por tanta barbaridade sofrida.



Cada vez que os de baixo pronunciamos as palavras democracia, justiça ou equidade social, se irritam furiosamente os poderosos capitalistas que assimilam o crescimento de suas fortunas às custas dos demais cidadãos. Tudo já está definido, repetem, presunçosos e zombeteiros. Isso, precisamente, é o que discutimos.



O enriquecimento desaforado e selvagem de uns poucos tem significado o aviltamento das condições de vida da maioria. E o aparato estatal de governo, legislação, justiça e força desempenha o exclusivo papel de esmagar o inconformismo ao preço que for. Por cima de tanta infâmia midiática, nenhuma outra causa produz a guerra que se trava na Colômbia. São essas as realidades que devem ser abordadas e situadas em vias de solução numa mesa de diálogos.



Com essa convicção estamos dispostos a conversar sobre a paz com o atual governo. Para que não se diga depois que as FARC mentimos ao país. Não tememos, em absoluto, debater e demonstrar que têm sido os grandes empresários do capital e da terra os que renovaram uma e outra vez sua brutalidade carniceira, a fim de fechar grandes negócios sobre o sangue dos despossuídos. Se um importante setor de investidores mostra interesse em dar um passo para a paz, o acompanhamos. E muito alertas!.



No dia de sua posse, Santos balbuciou acerca de sua intenção de diálogo com as FARC. Uns dias depois esmagava com bombas o acampamento do Comandante Jorge Briceño. Durante mais de um ano abusou com sua ficção da "chave da paz", o que não excluiu o ataque mortal ao Camarada Alfonso Cano, o homem que levava mais a sério o assunto e movia o resto do Secretariado a possibilitar contatos. Santos sabia muito bem disso, o que não o impediu de chorar emocionado. A dupla moral sempre foi imputada a nós.



Por nossa parte, sentar e conversar não significa nenhum tipo de rendição e entrega. A reincorporação à vida civil implica e exige uma Colômbia diferente. O grande capital terá que assumir que a realidade colocada pela crise requer uma mudança profunda em seu modo de atuar, uma nova maneira de relacionar-se com os povos. Esperamos que seja esta a vontade oficial, para encontrarmos a paz. Sem mais cartas na manga, Santos.

Timoleón Jiménez
Comandante do Estado-Maior Central das FARC-EP
Montanhas da Colômbia, abril de 2012


Texto publicado na Página do PCB – www.pcb.org.br

O Mafarrico Vermelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário