Pesquisa Mafarrico

Translate

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Assassinos grandes e pequenos

Assassinos grandes e pequenos
por Filipe Diniz


 
 
Dados da ONU apontam para que só nesse ano( 2011) houvesse 3021 civis mortos e 4507 feridos no Afeganistão. Na tropa da ocupação imperialista, em tantos casos desesperada perante uma situação militar incontrolável, de vez em quando há um militar de baixa patente que vai a tribunal e é condenado. Um, o U.S. Sgt. Robert Bales, que matou 16 civis e feriu outros 6, foi condenado a prisão perpétua. Sendo os EUA o que são, as famílias destas vítimas receberam $50 000 por cada parente falecido, e os feridos sobreviventes receberam $11 000. Parece que estes valores foram inflacionados pelo impacto do crime – mediatizado como o «massacre de Kandahar» – porque, por exemplo, uma rapariga que ficou com um braço gravemente ferido noutra ocasião apenas teve direito a $392.16. Em qualquer caso as famílias assim contempladas foram informadas que se tratava de «assistência proporcionada pelo presidente Obama», o assassino em série que mata com drones.


«Estava na minha cama às 11h.45 da noite quando ouvi barulho e vi helicópteros a pairar. Avisaram através de altifalantes que as pessoas não deveriam sair de casa e que se não obedecessem seriam alvejadas. Os meus três sobrinhos e o meu cunhado estavam a dormir no quarto de visitas. Todos os quatro saíram de casa em pânico e foram abatidos pelos militares internacionais. Depois os militares internacionais começaram a revistar-nos as casas. Partiram três portas e queimaram uma bicicleta a motor. Vasculharam a casa toda e encontraram uma espingarda de pressão de ar e destruíram-na. Os militares internacionais prenderam o meu irmão e foram-se embora.»

Este testemunho é de um aldeão afegão, e foi retirado de um relatório da missão UNAMA (United Nations Assistance Mission in Afganistan). Vem a propósito do recente julgamento de um fuzileiro britânico pelo assassínio a sangue frio de um jovem afegão que ficara ferido por tiros disparados de um helicóptero. O julgamento só tem lugar porque essas tropas utilizam equipamento muito sofisticado: uma câmara de televisão instalada no capacete do assassino registou o crime.

O acontecimento deu-se em Setembro de 2011. Dados da ONU apontam para que só nesse ano houvesse 3021 civis mortos e 4507 feridos no Afeganistão. Na tropa da ocupação imperialista, em tantos casos desesperada perante uma situação militar incontrolável, de vez em quando há um militar de baixa patente que vai a tribunal e é condenado. Um, o U.S. Sgt. Robert Bales, que matou 16 civis e feriu outros 6, foi condenado a prisão perpétua. Sendo os EUA o que são, as famílias destas vítimas receberam $50 000 por cada parente falecido, e os feridos sobreviventes receberam $11 000. Parece que estes valores foram inflacionados pelo impacto do crime – mediatizado como o «massacre de Kandahar» – porque, por exemplo, uma rapariga que ficou com um braço gravemente ferido noutra ocasião apenas teve direito a $392.16. Em qualquer caso as famílias assim contempladas foram informadas que se tratava de «assistência proporcionada pelo presidente Obama», o assassino em série que mata com drones.

A hora dos peixes graúdos serem julgados também há-de chegar.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário